Teleconsulta médica: os limites éticos e o risco de negligência informacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v9i3.713

Palavras-chave:

Consulta remota, Códigos de ética, Imperícia

Resumo

Objetivo: levantar a legislação vigente sobre a teleconsulta e realizar sua análise a partir do conceito de consulta médica e da necessidade do exame físico direto do paciente para a sua caracterização, bem como as limitações impostas pelo Código de Ética Médica (CEM) do Conselho Federal de Medicina (CFM), por seus pareceres e resoluções dos Conselhos Regionais, visando apontar seus limites e riscos de negligência médica informacional. Metodologia: revisão qualitativa e integrativa da legislação vigente, da literatura médica e jurídica especializada. Resultados: a prática da telemedicina é regulada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), mas a teleconsulta não é expressamente reconhecida pela entidade. Após a vigência da Portaria do Ministério da Saúde (MS) nº 467/2020 e da Lei nº 13.989/2020, que expressamente permitem a teleconsulta em caráter excepcional e transitório, evidenciou-se que os Conselhos Regionais de Medicina dos estados adotaram posicionamentos divergentes quanto ao tema. Demontrou-se ainda que o parecer do Conselho Federal de Medicina nº 14/2017 é vinculante e possibilita a comunicação entre o médico e o seu paciente por recursos tecnológicos, quando já houver entre eles uma relação anterior. Conclusão: a teleconsulta é prática médica ética e possível, posto que não é proibida pela Resolução CFM nº 1.643/2002, abordada diretamente no Parecer CFM nº 14/2017, mas que depende de prévia relação médico-paciente para as situações ordinárias, estando diferida (e nunca dispensada) em situações de emergenciais e sendo necessária a formalização de termo de consentimento informado digital por qualquer meio de tecnologia da informação e comunicação, desde que garanta a integridade, segurança e o sigilo das informações.

Biografia do Autor

Vinicius de Negreiros Calado, Universidade Católica de Pernambuco (Unicap)

Doutor em Direito, Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Recife, Pernambuco, Brasil; professor, Faculdade de Direito, Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7151-6261. E-mail: vinicius.calado@unicap.br

Marcelo Lamy, Universidade Santa Cecília (Unisanta)

Doutor em Direito Constitucional, Pontifícia Universidade Católica (PUC), São Paulo, SP, Brasil; professor permanente e vice-coordenador, Programa de Pós-Graduação em Direito da Saúde, Universidade Santa Cecília (Unisanta), Santos, São Paulo, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-8519-2280. E-mail: marcelolamy@unisanta.br

Referências

Brasil. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº de 696 de 2020. Dispõe sobre o uso da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (2019-nCoV). Brasília, 2020. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=0F93EF08779E48A7FE7D2E3612D6B573.proposicoesWebExterno2?codteor=1867127&filename=Tramitacao-PL+696/2020

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Ofício CFM nº 1.756/2020, de 19 de março de 2020. Resposta encaminhada ao Senhor Ministro de Estado da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Brasília, 2020 [Acesso em 02.abr.2020]. Disponível em: http://portal.cfm.org.br/images/PDF/2020_oficio_telemedicina.pdf.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 1.643/2002, de 07 de agosto de 2002. Define e disciplina a prestação de serviços através da Telemedicina. Brasília, 2020 [Acesso em 02.abr.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2002/1643.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS nº 467/2020, de 20 de março de 2020. Dispõe, em caráter excepcional e temporário, sobre as ações de Telemedicina, com o objetivo de regulamentar e operacionalizar as medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional previstas no art. 3º da Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, decorrente da epidemia de COVID-19. Brasília: DOU, 2020 [Acesso em 20.mar.2020]. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-467-de20-de-marco-de-2020-249312996.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 13.989/2020, de 15 de abril de 2020. Dispõe sobre o uso da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2). Brasília: DOU, 2020 [Acesso em 01.jun.2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/Lei/L13989.htm.

Lamy, M. Metodologia da pesquisa: técnicas de investigação, argumentação e redação. São Paulo: Matrioska Editora; 2020.

Calado, VN. Responsabilidade civil do médico e consentimento informado: um estudo interdisciplinar dos julgados do STJ. Curitiba: Juruá; 2014.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 1.958/2010, de 10 de janeiro de 2011. Define e regulamenta o ato da consulta médica, a possibilidade de sua complementação e reconhece que deve ser do médico assistente a identificação das hipóteses tipificadas nesta resolução. Brasília, 10 de janeiro de 2011 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/ resolucoes/BR/2010/1958.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 2.217/2018. Código de Ética Médica, de 01 de novembro de 2018. Aprova o Código de Ética Médica. Brasília, 2018 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2018/2217.

Catapan SC, Calvo MCM. Teleconsulta: uma Revisão Integrativa da Interação Médico-Paciente Mediada pela Tecnologia. Rev. bras. educ. med. 2020 [Acesso em 07.jul.2020]; 44 (1): e003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000100304&lng=en&nrm=iso.

Schmitz CAA, Gonçalves MR, Umpierre RN, Siqueira ACS, D’ávila OP, Bastos CGM et al. Teleconsulta: nova fronteira da interação entre médicos e pacientes. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade. 2017 Jjan-dez [Acesso em 15.maio.2020.]; 12(39):1-7. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1540. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1540.

Lopes MACQ, Oliveira GMM, Amaral Júnior A, Pereira ESB. Janela para o Futuro ou Porta para o Caos? In Arq Bras Cardiol. 2019; 112 (4): 461-465.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 2.227/2018, de 13 de dezembro de 2018. Define e disciplina a telemedicina como forma de prestação de serviços médicos mediados por tecnologias. Brasília, 2018 [Acesso em 02.abr.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2018/2227.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. PROCESSO-CONSULTA CFM nº 50/2016. Brasília, 2017 [Acesso em 02.abr.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/pareceres/BR/2017/14

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Parecer CFM nº 14/2017 do Conselho Federal de Medicina (CFM). Brasília, 2017 [Acesso em 02.abr.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/pareceres/BR/2017/14

Steavrns ML, Abravmowicz MB. Defining Dicta. Stanford Law Review. 2005 [Acesso em 09.mar.2019]; (56): 1-143. Disponível em: SSRN: https://ssrn.com/abstract=619124.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Nota Técnica nº 162/2013, de 30 de outubro de 2013. Parecer. Processo Consulta. Obrigatoriedade. Ato normativo editado por outros conselhos regionais. Ato normativo do CFM. Obrigatoriedade de sua observância em todo o território nacional. Brasília, 2013 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/notas/BR/2013/162.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 2.228/2019, de 06 de fevereiro de 2019. Revoga a Resolução CFM nº2.227, publicada no D.O.U. de 6 de fevereiro de 2019, Seção I, p.58, a qual define e disciplina a telemedicina como forma de prestação de serviços médicos mediados por tecnologias, e restabelece expressamente a vigência da Resolução CFM nº1.643/2002, publicada no D.O.U. de 26 de agosto de 2002, Seção I, p.205. Brasília, 2019 [Acesso em 02.abr.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2019/2228.

Israel. World Medical Association. WMA Statement On Accountability, Responsibilities And Ethical Guidelines In The Practice Of Telemedicine. [Declaração de Tel Aviv, 1999]. Israel, 1999 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://www.wma.net/policies-post/wma-statement-on-accountability-responsibilities-and-ethical-guidelines-in-the-practice-of-telemedicine/.

Dinamarca. World Medical Association. WMA Statement On The Ethics Of Telemedicine. Copenhague, 2008 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://www.wma.net/policies-post/wma-statement-on-the-ethics-of-telemedicine/.

Maldonado JMSV, Marques AB, Cruz A. Telemedicina: desafios à sua difusão no Brasil. In Cad. Saúde Pública. 2016; 32 (Suppl 2): e00155615.

Gogia S, organizador. Fundamentals of telemedicine and telehealth. London: Elsevier/Academic Press; 2020.

Malaysia. Laws of Malaysia. Act 564. Telemedicine Act 1997. Disponível em: http://www.agc.gov.my/agcportal/uploads/files/Publications/LOM/EN/Act%20564.pdf

Brasil. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial 1180815/MG. Recorrente: Fernanda de Souza Panta. Recorrido: Carlos Fernando Hudson Nascimento. Relatora: Ministra Nancy Panta. Brasília, 19 de agosto de 2010 [Acesso em 08.jun.2020]. Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/15932146/recurso-especial-resp-1180815-mg-2010-0025531-0/inteiro-teor-16827834.

Giostri HT. Responsabilidade médica – As obrigações de meio e de resultado: avaliação, uso e adequação. Curitiba: Juruá; 2004.

Dantas E, Coltri MV. Comentários ao Código de Ética Médica: Resolução CFM n. 1.931, de 17 de setembro de 2009. Rio de Janeiro: GZ Ed.; 2010.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996 do CNS. Aprovar as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, 1996 [Acesso em 07.maio.2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/1996/res0196_10_10_1996.html.

Gebhard PG. Developer of the Term 'Informed Consent'. New York Times. 1997 [Acesso em 07.maio.2020]. Disponível em: http://www.nytimes.com/1997/08/26/us/p-g-gebhard-69-developer-of-the-term-informed-consent.html.

Lidz CW, Meisel A, Zerubavel E, Carter M, Sestak RM, Roth LH. Informed Consent: A Study of Decision Making in Psychiatry. New York, The Guilford Press; 1984.

Goldim, JR. Consentimento Informado no Brasil: Primeiras Normas. 1997 [Acesso em 19.dez.2009]. Disponível em http://www.ufrgs.br/bioetica/consbras.htm.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Resolução 1.081, de 12 de março de 1982. Consentimento ou autorização dada pelo paciente ou responsável ao médico para necrópsia, provas necessárias ao diagnóstico e tratamento. Rio de Janeiro, 1982 [Acesso em 08.ago.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/1982/1081.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS nº 16, de 27 de novembro de 1981. Termo de Conhecimento de Risco. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil (14/12/1981).

Hirschheimer MR, Constantino CF, Oselka GW. Consentimento informado no atendimento pediátrico. Revista Paulista de Pediatria. 2010 [Acesso em 06.ago.2010]; 28(2): 128-33. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rpp/v28n2/v28n2a01.pdf.

Rodrigues, JV. O consentimento informado para o acto médico no ordenamento jurídico português. Coimbra: Coimbra Editora; 2001.

Guz G. O consentimento livre e esclarecido na jurisprudência dos tribunais brasileiros. R. Dir. sanit. 2010 [Acesso em 21.abr.2011]; 11(1): 95-122. Disponível em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/rdisan/v11n1/07.pdf.

Matielo FZ. Responsabilidade Civil do Médico. Porto Alegre: Sagra Luzzatto; 2001.

Pereira AGD. O consentimento informado na relação médico-paciente: estudo de Direito Civil. Coimbra Editora: Coimbra; 2004.

Kfouri Neto M. Responsabilidade civil do médico. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais; 2001.

Salamacha, CTF. Erro médico: inversão do ônus da prova. Curitiba: Juruá; 2008.

Brasil. Superior Tribunal de Justiça (STJ). Diretoria de Informações Judiciais. Ministro Ruy Rosado de Aguiar Júnior: Homenagem. Brasília, 2005 [Acesso em 21.abr.2011]. p. 124. Disponível em http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/bitstream/handle/2011/10223/45_Ministro_Ruy_Rosado_Aguiar.pdf?sequence=6.

Manson NC, O'neill O. Rethinking Informed Consent in Bioethics. Cambridge: Cambridge University Press; 2007 [Acesso em 07.maio.2011]. Disponível em http://books.google.com/books?id=kM3li88222kC&printsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Recomendação CFM nº 1/2016, de 06 de fevereiro de 2019. Define e disciplina a telemedicina como forma de prestação de serviços médicos mediados por tecnologias. [Revoga a Resolução CFM nº 1643/2002]. [Acesso em 02.abr.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/recomendacoes/BR/2016/1

Densa R. Direito do Consumidor. São Paulo: Atlas; 2009.

Brasil. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial 1540580 DF 2015/0155174-9. Recorrente: Dimas Pereira e Abrahão, Lindalva Goncalves Abrahão e Tiago Barboza Abrahão. Recorrido: Sociedade Beneficiente de Senhoras Hospital Sírio Libanês. Relatora: Ministro Lázaro Guimarães, 02 de agosto de 2018 [Acesso em 08.abr.2020]. Disponível em https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/621592003/recurso-especial-resp-1540580-df-2015-0155174-9/inteiro-teor-621592011.

Brasil. Presidência da República. Lei Nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, Código de Defesa do Consumidor. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Brasília, 1990 [Acesso em 01.jun.2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078compilado.htm.

Brasil. Agência Nacional de Saúde. Nota Técnica nº 6/2020/GGRAS/DIRAD-DIPRO/DIPRO. 2020 [Acesso em 01 jun. 2020]. Disponível em: https://www.ans.gov.br/images/stories/noticias/pdf/covid_19/nota-tecnica-6-2020-dirad-dides-dides.pdf.

Amil Assistência Médica Internacional S/A. Telemedicina Amil. São Paulo, 2020 [Acesso em 22.jun. 2020]. Disponível em: https://www.amilcuidadocerto.com.br/?utm_source=amil&utm_medium=banner&utm_campaign=telemedicina.

Bradesco Seguros S/A. Informações Coronavírus Bradesco Saúde. Rio de Janeiro, 2020 [Acesso em 22.jun.2020]. Disponível em: https://www.bradescoseguros.com.br/clientes/produtos/plano-saude/informacoes-coronavirus.

Sulamérica Saúde. Programa Saúde Ativa. Rio de Janeiro, 2020 [Acesso em 22.jun. 2020]. Disponível em: http://painel.programasaudeativa.com.br/medico-na-tela.

Hapvida Saúde. Rede de Teleconsulta. Fortaleza, 2020 [Acesso em 22.jun.2020]. Disponível em: http://www.hapvida.com.br/site/noticias/hapvida-amplia-rede-de-teleconsulta.

Brasil. Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará – CREMEC. Resolução nº 56, de 1º de abril de 2020. Dispõe sobre o atendimento médico por Telemedicina durante a pandemia de SARS-CoV2/COVID-19. Fortaleza, 2020 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-56-de-1-de-abril-de-2020-251068159.

Brasil. Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia – CREMEB. Resolução CREMEB nº 363/2020. Dispõe sobre a assistência médica a partir de ferramentas de telemedicina, durante estado de calamidade pública que determina isolamento, quarentena e distanciamento social. Salvador, 2020 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: http://www.cremeb.org.br/index.php/normas/resolucao-cremeb-363-2020/.

Brasil. Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal. Resolução CRM-DF nº 453/2020. Dispõe sobre a assistência médica a partir de ferramentas de telemedicina e telessaúde com base no Decreto Federal de Estado de Calamidade Pública, importando epidemias onde as orientações médicas incluem quarentena, isolamento e distanciamento social extenso. Brasília, 2020 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/DF/2020/453.

Brasil. Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro. Resolução CREMERJ nº 305/2020. Dispõe sobre o atendimento médico por Telemedicina durante a pandemia de SARS-CoV2/COVID-19. Rio de Janeiro, 2020 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/RJ/2020/305.

Brasil. Conselho Regional de Medicina do Estado do Paraná. Resolução CRM-PR nº 217/2020. Dispõe sobre o atendimento médico por Telemedicina, as emissões de receitas e atestados médicos durante a pandemia da COVID-19 e a disponibilização do Serviço de Validação de Emissão de Atestado e Prescrição Médica por meio de opção no portal de serviços oferecido pelo CRM aos médicos do Estado do Paraná. Curitiba, 2020 [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/PR/2020/217.

Brasil. Conselho Regional de Medicina do Mato Grosso. Resolução CRM-MT Nº 02/2020. Dispõe sobre a assistência médica a partir de ferramentas de telemedicina e telessaúde com base no Decreto Federal de Estado de Calamidade Pública, importando epidemias onde as orientações médicas incluem quarentena, isolamento e distanciamento social extenso. [Acesso em 15.maio.2020]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/MT/2020/2

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2020-09-29

Como Citar

1.
Calado V de N, Lamy M. Teleconsulta médica: os limites éticos e o risco de negligência informacional. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 29º de setembro de 2020 [citado 17º de janeiro de 2021];9(3):89-122. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/713

Edição

Seção

ARTIGOS