Liberdade decisória do médico e compreensão pelo paciente: o dever recíproco de informação como pressuposto fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v10i1.645

Palavras-chave:

Bioética, Autonomia, Informação, Compreensão

Resumo

Objetivo: esta pesquisa busca investigar, por intermédio de uma análise bibliográfica, a importância do ato de informar no cerne da relação médico-paciente, tendo em vista que esse dever é direcionado às duas partes: tanto aos profissionais de saúde, quanto aos pacientes. Metodologia: foi realizada uma pesquisa predominantemente bibliográfica, que visou interpretar as categorias sociais, normativas e morais para se alcançar uma conclusão, evidenciando uma abordagem de natureza qualitativa. Resultados: o dever de informação é pressuposto ao exercício da autonomia. Conclusão: o paciente tem o direito de ter à disposição todo e qualquer dado relevante para que possa, livre e conscientemente, decidir, bem como o médico também tem o direito de ser munido de toda informação relacionada ao histórico da doença vivenciada pelo paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Thereza Meirelles Araújo, Universidade Católica do Salvador (UCSal)

Pós-Doutoranda em Medicina, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil; doutora em Direito, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil; professora, Universidade Católica do Salvador (UCSal), Salvador, Bahia, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9623-6103. E-mail: anatherezameirelles@gmail.com

Lyellen Silva Fernandes, Faculdade Baiana de Direito

Especialista em Direito Público, Faculdade Unyleya, Brasília, Distrito Federal, Brasil; bacharel em Direito, Faculdade Baiana de Direito e Gestão, Salvador, Bahia, Brasil; advogada. https://orcid.org/0000-0001-8783-8663. E-mail: lyellenfernandes@gmail.com

Referências

Goldim JR, Francisconi Carlos F. Modelos de Relação Médico-Paciente [Internet]. [citado em 05 fev. 2021]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/relacao.htm#Veatch

Conselho Federal de Medicina. Iniciação à Bioética. Brasília (DF): Conselho Federal de Medicina; 1998 [citado em 05 fev. 2021]. Disponível em: https://portal.cfm.org.br/images/stories/biblioteca/iniciao%20%20biotica.pdf

Beauchamp TL, Childress JF. Princípios de ética biomédica. São Paulo: Loyola; 2002.

Silva JAC. Autonomia versus paternalismo médico: perfil bioético dos egressos do laboratório de cirurgia experimental do curso de medicina da UEPA [Tese online]. Porto, Portugal: Faculdade de Medicina, Universidade do Porto; 2013 [citado em 05 fev. 2021]. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/70573/2/29062.pdf

Salles AA. Transformações na relação médico-paciente na era da informatização. Rev. bioét. (Impr.) [Internet]. 2010 [citado em 05.fev.2021];18(1):49 – 60. Disponível http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/viewFile/535/521

Bauman Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar; 2001.

Fabbro L. Limitações Jurídicas à Autonomia do Paciente. Rev. bioét. 1999 [citado em 05 fev. 2021];7(1). Disponível em: http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/286

Brasil. Lei n° de 10 de janeiro de 2002. Código Civil Brasileiro [Internet]. 2002 [citado em 05.fev.2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm

Brasil. Resolução nº 2.232, de 17 de julho de 2019 [Internet]. Estabelece normas éticas para a recusa terapêutica por pacientes e objeção de consciência na relação médico-paciente. [acesso 05.fev.2021]. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-2.232-de-17-de-julho-de-2019-216318370?fbclid=IwAR2QOo56N-DTaMMBnKvnTHXWYEuQAsqw4xZZYnoICIFw6a8Yjus7vrEcL00

Filho JM, Hossne WS. A relação médico-paciente sob a influência do referencial bioético da autonomia. Rev. bioét. [Internet]. 2015 [citado em 05.fev.2021];23(2):304-10. Disponível em: http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/1040

Chaves C; Rosenvald N; Netto FPB. Curso de Direito Civil. 3ª ed. Responsabilidade Civil. São Paulo: Atlas; 2015.

Beck U. Sociedade de Risco Rumo a uma outra Modernidade. São Paulo: Editora 34 Ltda; 2013.

Beck U. Incertezas Fabricadas [Internet]. IHU Online. 2006 [citado em 05.fev.2021]. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao181.pdf

Tavares FM. Reflexões acerca da Iatrogenia e Educação Médica. [citado em 05.fev.2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022007000200010

As principais transformações na evolução médica. Blog Telemedicina Cardiológica. 2016[citado em 05.fev.2021]. Disponível em: https://www.blog.tmebr.com/as-principais-transformacoes-na-evolucao-da-medicina/

Ferrer JJ, Álvarez JC. Para Fundamentar a Bioética. São Paulo: Editora Loyola; 2005.

Almeida JLT. Da Moral Paternalista ao Modelo de Respeito à Autonomia do Paciente: os Desafios para o Ensino da Ética Médica. Rev bras educ med [Internet]. 2000 [citado em 05 fev. 2021];24(1):27-3. Disponível em: https://repositorio.ucb.br:9443/jspui/bitstream/123456789/7750/1/Da%20Moral%20Paternalista%20ao%20Modelo%20de%20Respeito%20%C3%A0%20autonomia%20do%20paciente....pdf

Rocha, EGFM. Direito à verdade e autonomia da vontade no enfermo. De jure: Revista Jurídica do Ministério Público do Estado de Minas Gerais [Internet]. 2007 [citado em 05.fev.2021]. Disponível em: https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/27759/direito_verdade_autonomia_vontade.pdf

Conselho Federal de Medicina. Código de Ética Médica. 2010 [citado em 05.fev.2021]. Disponível em: https://portal.cfm.org.br/images/stories/biblioteca/codigo%20de%20etica%20medica.pdf

Meirelles ATA. A informação na relação médico-paciente: o delineamento da Obrigação mútua face ao argumento da vulnerabilidade. In: Biodireito e direitos dos animais [Internet]. XXVII Encontro Nacional do Conpedi; Salvador; 2018. [citado em 05.fev.2021]; [p. 8-24]. Disponível em: http://conpedi.danilolr.info/publicacoes/0ds65m46/kz37jz13/kIL5YD8yCe3ObVLU.pdf

Costa, Eliane; Machado RR; Koerich MS. Ética e bioética: para dar início à reflexão. exto & Contexto-Enfermagem [Internet]. 2005 [citado em 05.fev.2021];14(1):106-110. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v14n1/a14v14n1

Chaves C, Rosenvald N. Curso de Direito Civil. 4ª ed. Contratos. São Paulo: Atlas; 2015.

Fortes PAC. Reflexões sobre a Bioética e o Consentimento Esclarecido. Rev. Bioética. [Internet]. 2009 [citado em 05.fev.2021];2(2). Disponível em: http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/458/341

Jacob, MS. El menor maduro. Bol Pediartr. [Internet]. 2005 [acesso 05.fev.2021];45(193):158. Disponível em: http://www.sccalp.org/boletin/193/BolPediatr2005_45_156-160.pdf

Goldim JR. Compreensão [Internet]. 2020 [citado em 05.fev.2021]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/compreen.htm

Caprara A, Franco ALS. A Relação paciente-médico: para uma humanização da prática médica. Cadernos de saúde pública [Internet]. 1999 [acesso 05 fev. 2021];15(3):647-654. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1999000300023

Caprara A, Franco ALS. A relação assimétrica médico-paciente: repensando o vínculo terapêutico. Ciência & saúde coletiva [Internet]. 2004 [citado em 05 fev. 2021];9(1):139-146. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232004000100014&script=sci_abstract&tlng=pt

Downloads

Publicado

18-03-2021

Como Citar

1.
Araújo ATM, Fernandes LS. Liberdade decisória do médico e compreensão pelo paciente: o dever recíproco de informação como pressuposto fundamental. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 18º de março de 2021 [citado 1º de dezembro de 2022];10(1):149-64. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/645

Edição

Seção

ARTIGOS