O período de tempo para guarda dos processos clínicos e exames

Autores

  • Sephora Luyza Marchesini Stival Universidade de Coimbra
  • Manuel Flores Ferreira Ramos Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, com pós-graduação pelo Centro de Direito Biomédico da Universidade de Coimbra. É cofundador da ALDIS, Associação Lusófona do Direito da Saúde, e membro da WAML, World Association for Medical Law, Sócio e Advogado em FAF Sociedade de Advogados, RL. Coimbra, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v5i3.317

Palavras-chave:

processo clínico eletrônico, conservação, guarda permanente.

Resumo

No que refere o tempo de conservação dos documentos clínicos, a legislação em Portugal é esparsa, com referências sobre a conservação em diversos diplomas legais, o que contribuiu para o desconhecimento de grande parte dos profissionais da saúde e gestores de instituições de saúde o período em que encontram-se obrigados a conservar as informações dos seus pacientes. Já no Brasil apesar da ausência legislativa o Conselho Federal de Medicina, através de Resoluções vem consolidando a temática. Ambos os países encaminham-se a favor da guarda permanente, que só pode ser alcançada através da mudança do suporte de papel para o suporte eletrónico. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sephora Luyza Marchesini Stival, Universidade de Coimbra

Doutoranda em Direito Civil na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Mestre em Crime, Diferença e Desigualdade pela Universidade do Minho. Advogada inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil (Seccional do Paraná) e na Ordem dos Advogados de Portugal. Coimbra. Portugal.

Downloads

Publicado

30-09-2016

Como Citar

1.
Marchesini Stival SL, Ferreira Ramos MF. O período de tempo para guarda dos processos clínicos e exames. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 30º de setembro de 2016 [citado 31º de janeiro de 2023];5(3):212-2. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/317

Edição

Seção

ARTIGOS