Análise comparativa das políticas de assistência farmacêutica entre Brasil e Cuba: uma revisão integrativa

Autores

  • Sheyla Velasques Paladini Saúde Pública. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Cristianne Maria Famer Rocha Doutora em Educação. Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Leticia Lassen Petersen Doutora em Desenvolvimento Regional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v6i3.407

Palavras-chave:

Assistência Farmacêutica, Políticas de Saúde, Saúde Pública

Resumo

Introdução: Brasil e Cuba têm sistemas universais de saúde, amplamente financiados e regulados pelo setor público. Este estudo tem como objetivo realizar uma comparação dos sistemas nacionais de saúde do Brasil e de Cuba, com foco nas respectivas Políticas de Assistência Farmacêutica. Metodologia: trata-se de uma revisão integrativa da literatura. Resultados: foram encontrados 48 artigos Cubanos e 171 artigos Brasileiros. Após análise, foram selecionados 5 artigos cubanos sobre Políticas de Assistência Farmacêutica em Cuba, e 21 artigos brasileiros sobre Política de Assistência Farmacêutica no Brasil. Discussão: a despeito das diferenças (culturais, históricas, geográficas, etc.), ambos são países em desenvolvimento com sistemas nacionais de saúde que têm como propósito o acesso universal e gratuito; contudo, esses sistemas têm diferenças marcantes quanto a aspectos econômicos e de governança, as quais podem explicar os resultados superiores de Cuba em indicadores de saúde pública e qualidade de vida. Conclusão: em Cuba, os medicamentos são fornecidos pelo Estado; no Brasil, os medicamentos podem ser fornecidos diretamente, nos termos da respectiva Política Nacional de Medicamentos e da Política de Assistência Farmacêutica, ou adquiridos em farmácias particulares – nesse caso, eles podem ser subsidiados por programas como a Farmácia Popular. Dessa forma, o sistema brasileiro é mais complexo, o que o torna mais suscetível a falhas de governança e a falhas de mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheyla Velasques Paladini, Saúde Pública. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Especialista em Saúde Pública.Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Cristianne Maria Famer Rocha, Doutora em Educação. Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação. Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.

Leticia Lassen Petersen, Doutora em Desenvolvimento Regional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Doutora em Desenvolvimento Regional. Estagiária Pós-Doutoral do Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios [periódico na Internet]. Séries, 2011 [acessado 2016 Mar 10]. Disponível em: <http://www.ammabarbacena.com.br/files/2e9d93b8abf8ae74b148b4f04fdb3701.pdf>

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Sistema Único de Saúde. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília. CONASS, 2011.

Menicucci TMG. A Política de Saúde no Governo Lula. Saúde Soc. 2011; 20(2): 522-532.

Brasil. Decreto n. 68.806, de 25 de junho de 1971. Institui a Central de Medicamentos (Ceme). Diário Oficial da União. Brasília, 1971.

Brasil. Constituição Federal de 1988 [acessado 2015 Dez 10]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>.

Brasil. Lei Federal n. 8080/90. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. Poder Executivo. Brasília, 20 set. 1990.

Oliveira LCF, Assis MMA, Bardoni RA. Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde: da Política Nacional de Medicamentos à Atenção Básica à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2010; 15(3): 3561-3567.

Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Organização Mundial de Saúde. Avaliação da assistência Farmacêutica no Brasil: estrutura, processo e resultados. Brasília, 2005.

Portela AS, Leal AAS, Werner RPB, Simões MOS, Medeiros ACD. Políticas públicas de medicamentos: trajetória e desafios. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2010; 31(1): 09-14.

Petersen LL. Políticas sociais no SUS e a gestão da assistência farmacêutica na rede local/regional: o caso da judicialização na 17ª coordenadoria regional de saúde–RS [Dissertação]. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional – Mestrado e Doutorado, Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, 2014 [acessado 2016 Mar 10]. Disponível em < btd.unisc.br/Teses/LeticiaPetersen.pdf>.

Instituto de Ciência Tecnologia e Qualidade (ICTQ). Censo Demográfico Farmacêutico, 2014 [acessado 2016 Mar 12]. Disponível em: < http://ictq.com.br/portal/estatisticas-do-setor-farmaceutico/censo-demografico-farmaceutico>

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica- QUALIFICAR-SUS. Portaria n.º 1.214 de 2012 [acessado 2015 Dez 10]. Disponível em:

Brasil. Ministério da Saúde. Avaliação da Assistência Farmacêutica no Brasil: Estrutura, Processo e Resultados. Brasília, 2005.

Ferreira PAA. Efeitos do co-pagamento de medicamentos sobre saúde no Brasil: Evidências do programa aqui tem farmácia popular [Tese]. Programa de Pós-Graduação em Economia da Indústria e Tecnologia, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro [acessado 2016 Mar 10]. Disponível em:< http://www.ie.ufrj.br/images/pos-graducao/ppge/Pedro_Americo.pdf>

Rocha CMF, Roese A, Mello VRC, Mesquita MO, Pasini VL. Sistema Nacional de Saúde Cubano: vivências de uma equipe multiprofissional. Interagir: pensando a extensão 2015; 1(20): 124-134.

Madureira PSP. Sistema de Saúde Cubano. 2010 [acessado 2015 Dez 10]. Disponível em: <https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/19944/1/Sistema%20de%20Sa%C3%BAde%20Cubano%20-%20final.pdf>

Cuba. Republica de Cuba. Ministerio de Salud Públiba. Formulario Nacional de Medicamentos. 2016 [acessado 2016 Mar 10]. Disponível em:<http://fnmedicamentos.sld.cu/index.php?P=Home>

Domínguez-Alonso E.; Zacca E. Sistema de salud de Cuba. Salud pública de México. 2011; 53(2): 168-176.

Feitosa EC. As Assembleias do Poder Popular e as Tradições de Luta Democrática e de Participação Popular em Cuba [Dissertação]. Universidade Federal Fluminense. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, 2011.

Cuba. Republica de Cuba. Ministerio de Salud Públiba. Programa Nacional de Medicamentos, 2007 [acessado 2015 Dez 10]. Disponível em: http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s19824es/s19824es.pdf.

Lorenzo SM. et al. La diferenciación territorial en los servicios farmacéuticos comunitarios en Ciudad de La Habana. Rev Cubana Salud Pública. 2007; 33(1).

Rossel-Mozon A. Centro de Informacion del Medicamento: la información para la Red Nacional de Farmacoepidemiologia de Cuba. ACIMED. Ciudad de La Habana. 2005; 13(2).

Manzano EF, Sol AFM, Víctor FP, Giselle MCQ, Luisa IR, Ruth DHR. Indicadores vinculados a las funciones asistenciales de los servicios farmacéuticos comunitarios en las regiones Central y Oriental de Cuba. Rev Cubana Far 2006; 40(1).

Mantovani N, Crispim S. Centrais de Compras e Serviços no Setor de Farmácias do Brasil: Alternativa para a Sobrevivência das Farmácias Independentes Enfrentando Grandes Redes. Gestão & Regionalidade. 2013; 29(86).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Países [página da Internet] 2016 [acessado 2016 Mar 12]. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/paísesat/main.php>.

Rossetti-Ferreira MC, Ramon F, Silva APS. Políticas de atendimento à criança pequena nos países em desenvolvimento. Cadernos de Pesquisa. 2002; 1(115).

Cooper RS. Health in Cuba. International Journal of Epidemiology. 2015; 1(35): 817–824.

Oliveira MA, Bermudez JAZ, Castro CGS. Assistência Farmacêutica e Acesso a Medicamentos. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Relatório de Desenvolvimento Humano de 2014 [periódico na Internet]. 2014 [acessado 2016 Mar 12] Disponível em: <http://www.pnud.org.br/arquivos/RDH2014pt.pdf>

The Word Bank. World Development Indicators 2016 [serial on the Internet]. 2016 [cited 2016 octo 3] Disponível em:

López LM. La gestión del conocimiento en los servicios farmacêuticos. Rev Cubana Farm. 2014; 48(4): 701-708.

Moreira GVC, Castillo LIR, Fernández HL, Hernández TS, Rodríguez JMP. Los medicamentos en el mundo asimétrico actual: del no acceso al acceso. Rev Cub Med Mil. 2007; 36(3).

Silva MR, Pereira CN, Mendes LVP, Luiza VL. Assistência farmacêutica no município do Rio de Janeiro, Brasil: evolução em aspectos selecionados de 2008 a 2014. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(5): 1421-1432.

Monteiro et al. Acesso a medicamentos pelo Sistema Único de Saúde e equidade: inquéritos de base populacional em São Paulo, Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2016; 19(1): 26-37.

Yamauti SM, Barberato-Filho S, Lopes LC. Elenco de medicamentos do Programa Farmácia Popular do Brasil e a Política de Nacional Assistência Farmacêutica. Cad. Saúde Pública. 2015; 31(8):1648-1662.

Magarinos-Torres R, Pepe VLE, Oliveira MA, Osorio-de-Castro CGS. Medicamentos essenciais e processo de seleção em práticas de gestão da Assistência Farmacêutica em estados e municípios brasileiros. Ciênc. saúde coletiva. 2014; 19(9):3859-3868.

Machado SHS . O uso da teoria de stakeholders em uma análise da etapa de formulação da Política Nacional de Medicamentos. Rev. Adm. Pública. 2013; 47(3):543-565.

Vieira FS, Zucchi P. Financiamento da assistência farmacêutica no sistema único de saúde. Saúde soc. 2013; 22(1):73-84.

Costa KS, Nascimento Jr JM. HÓRUS: inovação tecnológica na assistência farmacêutica no sistema único de saúde. Rev. Saúde Pública. 2012; 46.

Alencar TOS, Nascimento MAA. Assistência Farmacêutica no Programa Saúde da Família: encontros e desencontros do processo de organização. Ciênc. saúde coletiva. 2011; 16(9).

Pepe VLE, Figueiredo TA, Simas L, Osorio-de-Castro CGS, Ventura M. A judicialização da saúde e os novos desafios da gestão da assistência farmacêutica. Ciênc. saúde coletiva. 2010; 15(5):2405-2414.

Vieira FS. Assistência farmacêutica no sistema público de saúde no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2010; 27(2): 149–56.

Barreto JL, Guimarães MCL. Avaliação da gestão descentralizada da assistência farmacêutica básica em municípios baianos, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2010; 26(6).

Canabarro IM, Hahn S. Panorama da assistência farmacêutica na saúde da família em município do interior do Estado do Rio Grande do Sul. Epidemiol. serv. saúde. 2009; 18(4):345-355.

Paula PAB, Alve TNP, Vieira RCPA, Souza AIS. Política de medicamentos: da universalidade de direitos aos limites da operacionalidade. Physis. 2009; 19(4).

Vieira F.S. Qualificação dos serviços farmacêuticos no Brasil: aspectos inconclusos da agenda do Sistema Único de Saúde. Rev Panam Salud Publica. 2008; 24(2): 91-100.

Araujo ALA, Pereira LRL, Ueta JM, Freitas O. Perfil da assistência farmacêutica na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2008; 13(supl):611-617.

Kornis GEM, Braga MH, Zaire CEF. Os marcos legais das políticas de medicamentos no Brasil contemporâneo (1990-2006). Revista de Atenção Primária em Saúde. 2008; 11(1): 85-99.

Araujo ALA, Freitas O. Concepções do profissional farmacêutico sobre a assistência farmacêutica na unidade básica de saúde: dificuldades e elementos para a mudança. Rev. Bras. Cienc. Farm. 2006;42(1).

Cosendey MAE, Bermudez JAZ, Reis ALA, Silva HF, Oliveira MA, Luiza VL. Assistência farmacêutica na atenção básica de saúde: a experiência de três estados brasileiros. Cad. Saúde Pública. 2000; 16(1): 171-182.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

29-09-2017

Como Citar

1.
Paladini SV, Rocha CMF, Petersen LL. Análise comparativa das políticas de assistência farmacêutica entre Brasil e Cuba: uma revisão integrativa. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 29º de setembro de 2017 [citado 30º de novembro de 2022];6(3):144-60. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/407

Edição

Seção

ARTIGOS