Possibilidades e limites das práticas de monitoramento e avaliação em municípios acima de 50 mil habitantes

Autores

  • Andre Luis Bonifácio Carvalho Universidade Federal da Paraíba - UFPB
  • Helena Eri Shimizu Universidade de Brasília - UNB
  • Maria de Fatima Sousa

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v6i3.403

Palavras-chave:

Organização e Administração, Tomada de Decisão, Políticas Públicas

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar a percepção dos dirigentes das Secretarias Municipais quanto às práticas e processos do monitoramento e avaliação no âmbito da gestão governamental. Metodologia: Foi aplicado questionário a dirigentes governamentais (secretários ou técnicos) de municípios com mais de 50 mil habitantes e que aderiram ao Pacto ela Saúde, obtendo-se 89 municípios. Resultados: Em que pese a maioria dos respondentes possuir os instrumentos de gestão e, fazer uso de sistemas de informação para subsidiar a tomada de decisão, podem ser consideradas como inadequadas ou insuficientes. Conclusão: Considerando-se as necessidades institucionais e os desafios a serem superados, é preciso fortalecer a organização de práticas que possibilitem a institucionalização do M&A no âmbito da gestão municipal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andre Luis Bonifácio Carvalho, Universidade Federal da Paraíba - UFPB

Doutor em Saúde Coletiva pela UNB, Professor Adjunto da UFPB/CCM/DPS, ex-gestor municipal, estadual e federal no âmbito do SUS.

Helena Eri Shimizu, Universidade de Brasília - UNB

Doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo. Pós Doutorado na Pan American Health Organization (Washington DC) em 2007. Atualmente é professor associado IV da Universidade de Brasília e Pro-Reitora de Pós-Graduação.

Maria de Fatima Sousa

Pós doutorado pelo Centre de Recherche sur la Communication et la Santé (ComSanté), da Université du Québec à Montréal (UQAM). Professora Associada do Departamento de Saúde Coletiva, da Faculdade de Ciências da Saúde e atualmente Diretora da Faculdade de Saúde da UNB

Referências

Giovanella L; Lobato LVC. Sistemas de Saúde: Origens, Componentes e Dinâmica. In: Giovanella L;Escorel S; Lobato LVC;Noronha JC; Carvalho AI (organizadores) Política e Sistemas de Saúde no Brasil; Editora Fiocruz/Cebes – 107-140, 2008.

Rivera FJ; Artmann E; Planejamento e gestão em saúde :conceitos, história e propostas ; Rio de Janeiro, Fiocruz , 162 p; 2012.

Paim,JS.: Epidemiologia e planejamento: a recomposição das práticas epidemiológicas na gestão do SUS; Ciênc. saúde coletiva vol.8 no.2 Rio de Janeiro.2003.

Campos GWS. O público , o estatal , o privado e o particular nas políticas públicas de saúde. In: Heimann LS; Ibanhes LC, Barbosa R. O público e o privado na saúde. São Paulo: Hucitec, 89-110.2005.

Brasil, Lei 8080 : Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.

Berretta, IQ; Lacerda, JT; Calvo, MCM. Modelo de avaliação da gestão municipal para o planejamento em saúde; Cader. Saúde Publ. , Rio de Janeiro, nov, 27(11). pp 2143-2154.2011,

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde. Descentralização das ações e serviços de saúde: a ousadia de cumprir e fazer cumprir a Lei. NOB 01/93. Brasil: Ministério da Saúde;1993.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde. Regionalização da assistência à saúde: aprofundando a descentralização com equidade no acesso. Brasil: Ministério da Saúde;2001.

Tamaki EM; Tanaka OY; Felisberto E; Alves CKA; Junior MD; Bezerra LCA; Calvo CM; Miranda AS; Metodologia de construção de um painel de indicadores para o monitoramento e avaliação da gestão do SUS; Ciências & Saúde Coletiva, 17(4)821-828, 2012.

Carvalho ALB, Guerreiro JV, Rodrigues RM, Veras CLM, Araujo LM, Azevedo Julia FS, Lima LMCG, Batista MRM, Remigio J. O pacto dos indicadores da Atenção Básica: um instrumento de monitoramento e avaliação da gestão do SUS na Paraíba. Divulg. Saúde Debate 2000;(20):46-51.

Brasil. Decreto 7508 : Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências, DF, 2011.

Poister , TH. Mensuring performance in public and nonprofit organizations. São Francisco, Jossey-Bass Publishers, 2003.

Silva.RR, Brandão DB. Os Quatro elementos da avaliação. Olho Mágico, 10(2), abri-jun, 2003. p 59-66.

Miranda AS, Carvalho ALB, Cavalcante CGC. Subsídios sobre práticas de monitoramento e avaliação sobre gestão governamental em Secretarias Municipais de Saúde.Ciências & Saúde Coletiva, 17(4).913-920,2012.

Downloads

Publicado

29-09-2017

Como Citar

1.
Carvalho ALB, Shimizu HE, Sousa M de F. Possibilidades e limites das práticas de monitoramento e avaliação em municípios acima de 50 mil habitantes. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 29º de setembro de 2017 [citado 31º de janeiro de 2023];6(3):161-76. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/403

Edição

Seção

ARTIGOS