Segurança do paciente cirúrgico e direitos humanos dos pacientes

Autores

  • Ana Caroline Leoncio Romano Universidade de Brasília
  • Aline Albuquerque Sant'Anna de Oliveira Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v6i3.397

Palavras-chave:

Segurança do Paciente, Direitos Humanos, Cuidados Críticos

Resumo

Introdução: a segurança dos pacientes cirúrgico é um tema abordado há décadas que ainda merece discussão e estratégias incisivas. Objetivo: apresentar o contexto de segurança do paciente cirúrgico e propor uma abordagem conjunta com os direitos humanos. Metodologia: foi realizado buscas nas bases de dados de periódicos online da Biblioteca Virtual de Saúde, Scielo, MedLine, Lilacs, Pubmed, Ministério da Saúde e o portal Proqualis, com os descritores: segurança do paciente, segurança cirúrgica, cirurgia segura, direitos humanos dos pacientes e cuidado centrado no paciente. Conclusão: os princípios dos direitos humanos do paciente, cuidado centrado no paciente e responsabilidade do paciente, são ferramentas que podem contribuir positivamente para melhorar a segurança do paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Caroline Leoncio Romano, Universidade de Brasília

Especialista em bioética – Cátedra UNESCO de Bioética - UnB. Enfermeira assistencialista em centro cirúrgico. Aluna do programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Ciências da Saúde – Ciências da Saúde - Bioética / Universidade de Brasília - DF

Aline Albuquerque Sant'Anna de Oliveira, Universidade de Brasília

Pós-Doutorado em Direitos Humanos e Pesquisadora Visitante do Centro de Direitos Humanos da Universidade de Essex. Professora Credenciada da Pós-Graduação em Bioética da Universidade de Brasília e do Curso de Especialização em Bioética da Cátedra UNESCO de Bioética. Advogada da União no Ministério das Relações Exteriores. Brasília – DF

Referências

Kohn LY, Corrigan JM, Donaldson MS. To Err is Human: Building a Safer Health System. Washington DC: National Academy Press, 2000.

Organização Mundial da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde, Segundo desafio global para segurança do paciente: cirurgia seguras salvam vidas. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2009.

Weiser TG, Regenbogen SE, Thompson KD, Haynes AB, Lipsitz SR, Berry WR, et al. An estimation of the global volume of surgery: a modelling strategy based on available data. The Lancet. 2008, 372 (9633):139-44. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18582931 [Acesso em 2.jan.2017].

Albuquerque A. Direitos Humanos dos Pacientes: teoria e princípios. Curitiba: Juruá; 2016.

Cohen J, Ezer T. Human rights in patient care: a theoretical and pratical framework. Health and Human Rights. 2013, 15 (2): 7-19. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24421170 [Acesso em 12.fev.2017]

Beier M, Iannotti GC. O paternalismo e o juramento hipocráticos. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2010, 10 (2): 384-9. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151938292010000600017&script=sci_abstract&tlng=pt [Acesso 10.jan.2017]

Benenson S, Mankuta D, Gross I, Schwartz C. Cluster of puerperal fever in an obstetric ward: a reminder of Ignaz Semmelweis. Infection Control & Hospital Epidemiology. 2015, 36 (12): 1488- 90. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26486196 [Acesso 10.jan.2017]

Nascimento C, Draganov PB. História da qualidade em segurança do paciente. História da Enfermagem Revista Eletrônica. 2015, 6(2): 299-309. Disponível em http://here.abennacional.org.br/here/seguranca_do_paciente.pdf [Acesso 12.jan.2017]

Carraro TE. Contribuições de Florence Nightingale: uma revisão integrativa da literatura. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2013, 17(3): 573-9. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n3/1414-8145-ean-17-03-0573.pdf [Acesso 12.jan.2017]

Wachter RM. Understanding Patient Safety. 2 ed. São Francisco: McGraw-Hill; 2012. Surgical Errors. 73-92.

Wachter RM. Understanding Patient Safety. 2 ed. São Francisco: McGraw-Hill; 2012. The Nature and Frequency of Medical Erros and Adverse Events. 3-19.

Ministério da Saúde (BR). Documento de Referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Allen G. Infection prevention: a patient safety imperative for the perioperative setting. AORN Journal. 2015, 101(5): 508-10. Disponível em http://www.aornjournal.org/article/S0001-2092(15)00252-5/pdf [Acesso 01.mar.2017]

Umscheid CA, Mitchell MD, Doshi JA, Agarwal R, Williams K, Brennan PJ. Estimating the proportion of healtcare-associated infections that are reasonably preventable and the related mortality and costs. Infection Control & Hospital Epidemiology. 2011, 32(2): 101-14. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21460463 [Acesso 01.mar.2017]

Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização - SOBECC. Estrutura física do centro cirúrgico. Práticas Recomendadas. 6ª ed. São Paulo. SOBECC, 2013. 114-24.

Ministério da Saúde – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Critérios diagnósticos de infecção relacionada à assistência à saúde. 2ª ed. Brasília. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2017.

Santos GC, Baylão AFG, Borges SCF, Silva AL, Batista MHJ, Leite GR. Incidência e fatores de risco de infecção de sítio cirúrgico: revisão integrativa. Revista Eletrônica Intinerarius Reflectionis, 2015, 11(1). Disponível em https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/34142 [Acesso em 01.mai.2017]

Batista TF, Rodrigues CS. Vigilância de infecção de sítio cirúrgico pós-alta hospitalar em hospital de ensino do Distrito Federal, Brasil: estudo descritivo retrospectivo no período 2005-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2012, 21 (1): 253-64.

Malhotra V, Mack PF. Quality of care and patient safety. In: Miller R, Pardo M Basics of Anesthesia. 6th ed. Philadelphia: Elsevier; 2011. p. 746-54.

Goldberg JL, Feldman DL. Implementing recommended practices for prevention of retained surgical items. AORN Journal, 2012, 95 (2): 205-16. Disponível em http://www.aornjournal.org/article/S0001-2092(11)01244-0/fulltext [Acesso em 20.fev.2017]

Steelman VM, Williams TL, Szekendi MK, Halverson AL, Dinitzis SM, Pavkovic S. Surgical specimen management - a descriptive study of 648 adverse events and near misses. Archives of Pathology & Laboratory Medicine, 2016 140(12): 1390-6.

Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27610645 [Acesso em 22.fev.2017]

Cvetic E. Communication in the perioperative setting. AORN Journal, 2011, 94(3): 261-70. Disponível em http://www.aornjournal.org/article/S0001-2092(11)00740-X/fulltext [Acesso em 02.mar.2017]

Fassarella CS, Bueno AAB, Garilha JB, Andrade MA. Comunicação no contexto hospitalar como estratégia para segurança do paciente: revisão integrativa. Revista Rede de Cuidado em Saúde, 2013, 7(1): 1-16. Disponível em http://publicacoes.unigranrio.br/index.php/rcs/article/view/1901/905 [Acesso em 02.mar.2017]

Ministério da Saúde – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Relatório dos Estados – Eventos Adversos. 2017. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/brasil. [Acesso em 21.mai.2017]

Paranhos DGAM. Direitos humanos dos pacientes. Revista Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário, 2016, 5(2):185-192. Disponível em http://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos [Acesso em 10.jun.2017]

Groene O. Patient centredness and quality improvement efforts in hospitals: rationale, measurement, implementation. International Journal for Quality in Health Care, 2011, 23 ( ): 531-7. Disponível em https://academic.oup.com/intqhc/article-lookup/doi/10.1093/intqhc/mzr058 [Acesso em 12.mai.2017]

Nussbaum M. Human dignity and political entitlements. In: Pellegrino E, Schulman A, Thomas W. Human dignity and bioethics. Washington DC. University of Notre Dame; 2009. p. 351-380

Ells C, Hunt M, Chambers-Evans J. Relational autonomy as an essential component of patients-centered care. International Journal of Feminist Approaches to Bioethics, 2011, 4 (2): 79-101. Disponível em https://www.mcgill.ca/biomedicalethicsunit/files/biomedicalethicsunit/ellshuntchambersrelationalautonomyijfab2011.pdf [Acesso em 22.mai.2017]

Beletsky L, Ezer T, Overall J, Byrne I, Cohen J. Advancing human rights in patient care: the law in seven transitional countries. Open Society Foundations, 2013. Disponível em https://www.opensocietyfoundations.org/sites/default/files/Advancing-Human-Rights-in-Patient-Care-20130516.pdf [Acesso em 18.jul.2017]

The Health Foundation. Person-centred care made simple. 2014. Disponível em: http://www.health.org.uk/sites/health/files/PersonCentredCareMadeSimple.pdf

[Acesso em 20.jun.2017]

Coulter A, Ellins J. Effectiveness of strategies for informing educating, and involving patients. The British Medical Journal, 2007, 335 (7609): 24-7. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1910640/?report=reader [Acesso em 18.mai.2017]

Spruce J. Back to basic: patient and family engagement. AORN Journal, 2015, 102 (1): 34-7. Disponível em http://www.aornjournal.org/article/S0001-2092(15)00424-X/abstract [Acesso em 20.mai.2017]

Ulrich LP. The role of responsible patient. In: ULRICH LP. The Patient Self Determination Act: Meeting the Challenges in patient care. Washington DC: Gergetown University Press: 2001. p. 291-312.

Downloads

Publicado

29-09-2017

Como Citar

1.
Romano ACL, Oliveira AAS de. Segurança do paciente cirúrgico e direitos humanos dos pacientes. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 29º de setembro de 2017 [citado 30º de novembro de 2022];6(3):232-51. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/397

Edição

Seção

ARTIGOS