A judicialização da saúde no Brasil sob as lentes do modelo paradigmático de Strauss e Corbin: uma análise bibliométrica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v10i4.760

Palavras-chave:

Judicialização da saúde, Bibliometria, Direito à Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

Objetivo: identificar, nas variáveis propostas pelo modelo paradigmático de Strauss e Corbin, as características da produção científica sobre a judicialização da saúde no contexto dos impactos e desafios gerados para o Sistema Único de Saúde. Métodos: trata-se de um estudo bibliométrico, descritivo, de abordagem quanti-qualitativa. A coleta de dados ocorreu em junho de 2020, resultando num universo de 63 artigos. Para a categorização dos dados adotou-se o modelo paradigmático de Strauss e Corbin. Na análise quantitativa foram consideradas as seguintes variáveis: regiões do Brasil e instituições de onde os estudos foram concebidos; ano de publicação; formação profissional dos autores; periódicos de publicação; descritores utilizados; esfera de governo abordada; e os tipos de pesquisa. No aspecto qualitativo foram analisadas as principais conclusões dos artigos. Resultados: as publicações da região Sudeste foram a maioria. As conclusões dos artigos apontaram que a judicialização como garantia de acesso à saúde pode ser compreendida tanto como uma causa do fenômeno quanto como uma consequência dele. O risco orçamentário para gestão pública e as relações entre o Poder Executivo e Judiciário configuraram os fatores intervenientes. Conclusão: o diálogo institucional constitui um caminho a ser perseguido na tentativa de minimizar possíveis efeitos danosos da judicialização da saúde.

.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Isabela Tavares Amaral, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

    Doutoranda em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro; professora, Curso de graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Macaé, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4043-6020. E-mail: Isabela.t.amaral@gmail.com

  • Felipe Dutra Asensi, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

    Pós-Doutor em Direito, Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Doutor em Sociologia, Instituto de Estudos Sociais e Políticos; professor, Programa de Pós-graduação, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. https://orcid.org0000-0002-7522-7926. E-mail: felipedml@yahoo.com.br

  • Tiago Oliveira de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Doutor em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz; professor, Curso de graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Macaé, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0926-2926. E-mail: tiagotos@gmail.com

  • Fernanda Teles Morais do Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Doutora em Enfermagem e Biociências, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; professora, Curso de graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Macaé, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0120-5687. E-mail: nandatmorais@gmail.com

  • Ítalo Rodolfo Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Pós-Doutor, Escola de Enfermagem, Universidade de Ribeirão Preto (USP); Doutor em Enfermagem, Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro; professor, Curso de graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Macaé, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2882-1877. E-mail: italoufrj@gmail.com

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório de Gestão da SAS. Secretaria de atenção à saúde. SAS. Brasília: Ministério da Saúde [publicado na internet]. 2016 [citado em 14 jun. 2020]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/Relatorio-de-Gestao-da-SAS-2016.pdf

Lopes LMN, Asensi FD, Júnior ASG. A judicialização indireta da saúde: um estudo de caso sobre a experiência de Cachoeiro de Itapemirim/ES. Rev. Direito e Práx. Rio de Janeiro [Internet]. 2017 [citado em 17 jun. 2020]; 08(1):[cerca de 35 p.]. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/19801

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas; 2016.

Saldiva PHN, Veras, M. Gastos Públicos com Saúde: breve histórico, situação atual e perspectivas futuras. Rev. Estudos Avançados [Internet]. São Paulo, 2018 jan- abr [citado em 13 jul. 2020]; 32(95):[cerca de 14p.]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142018000100047

Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Instituto de Ensino e Pesquisa. Judicialização da saúde no Brasil: Perfil das demandas, causas e propostas de solução. Brasília; 2019.

Conselho Nacional de Justiça (CNJ). TCU e Estados apontam aumento dos gastos com a judicialização da saúde [Portal do CNJ]. Dez. 2017 [citado em 20 abr. 2019]. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/85911-tcu-e-estados-apontam-aumento-dos-gastos-com-a-judicializacao-da-saude

Asensi FD, Pinheiro R, organizadores. Judicialização da saúde no Brasil: dados e experiência. Brasília: Conselho Nacional de Justiça; 2015.

Silva FQ et al. Estudo Bibliométrico: Orientações Sobre sua Aplicação. Revista Brasileira de Marketing [Internet]. São Paulo, 2016 abr-jul; 15(2):246-262.

Strauss A, Corban J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Missão e Objetivos. Portal de Periódicos Capes/MEC. [citado em 2 jul. 2020]. Disponível em: https://www.periodicos.capes.gov.br/index.php?option=com_pcontent&view=pcontent&alias=missao-objetivos&Itemid=109

Oliveira-Costa M. Estudo traça panorama da judicialização da saúde no Brasil. Portal do governo brasileiro. 25 de janeiro de 2018 [citado em 2 jul. 2020]. Disponível em: https://amazonia.fiocruz.br/?p=23504

Vaz, RLC et al. Relação entre judicialização e fatores socioeconômicos e de desempenho do sistema de saúde. Rev. Bras. Promoç. Saúde [Internet]. 2018 jul-set [citado em 2 jul. 2020]; 31(3):1-9. Disponível em:

https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/7547/pdf

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Desenvolvimento humano nas macrorregiões brasileiras. Brasília; 2016. 55 p.

Hoffman FF, Bentes FRNM. Accountability for social and Economic Rights in Brazil. In: Gauri e Brinks D. (Eds). Courting Social Justice: Judicial Enforcement of Social and Economic Rights in the Developing World. Cambridge: Cambridge University Press; 2008. p. 100-145.

Catanheide ID, Lisboa ES, Souza LEPF. Características da judicialização do acesso a medicamentos no Brasil: uma revisão sistemática. Physis: Revista de Saúde Coletiva [Internet]. 2016 [acesso em 15 jan. 2019]; 26(4):1335-1356. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312016000401335&script=sci_abstract&tlng=pt

Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Relatório Analítico Propositivo. Justiça pesquisa. Judicialização da saúde no Brasil: perfil das demandas, causas e propostas de solução. Instituto de Ensino e Pesquisa (INSPER); 2019.

Albert CE. Análise sobre a judicialização da saúde nos municípios. Revista Técnica CNM (Confederação nacional de Municípios) [Internet]. 2016 [citado em 2 jul. 2020]; 151-175. Disponível em: https://www.cnm.org.br/cms/biblioteca_antiga/An%C3%A1lise%20sobre%20a%20Judicializa%C3%A7%C3%A3o%20da%20Sa%C3%BAde%20nos%20Munic%C3%ADpios.pdf

Lima GE de, Maluf AC. Judicialização do direito à saúde em desfavor dos municípios: um paradoxo aos princípios da isonomia e da reserva do possível. Revista de Direito Brasileira [Internet]. 2018 maio-ago [citado em 2 jul. 2020]; 20(8):174-191. Disponível em: https://www.indexlaw.org/index.php/rdb/article/view/3204

Zago B, Swiech LM, Bonamigo EL, Schelemper Junior BR. Aspectos bioéticos da judicialização da saúde por medicamentos em 13 municípios no meio oeste de Santa Catarina, Brasil. Acta Bioethica [Internet]. 2016 [citado em 16 jul. 2020]; 22(2):293-302. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/abioeth/v22n2/art16.pdf

Amaral IBST, Asensi FD. A descentralização e o drama da esfera municipal na busca pela institucionalização do sus no contexto da crise. In: Júnior, ASG et al, organizadores. Direitos Sociais e efetividade. Rio de Janeiro: Àgora 21; 2019. p. 617-630.

Machado FRS, Daim, S. A Audiência Pública da Saúde: questões para a judicialização e para a gestão de saúde no Brasil. Rev. Adm. Pública [Internet]. 2012 jul-ago [citado em 15 jun. 2020]; 46(4):1017-1036. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rap/v46n4/a06v46n4.pdf

Arruda SC. Análise sobre a judicialização da saúde no estado de mato grosso no período de 2011-2012. Cad. Ibero-Amer. Dir. Sanit. [Internet]. 2017 jan-mar [citado em 15 jul. 2020]; 6(1):86-111. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/308/438

Chagas VO, Provin MP, Amaral RG. Administrative cases: an effective alternative to lawsuits in assuring access to medicines?.BMC Public Health. 2019. 19, 212.

Gomes DF, Souza CF, Silva FL, Pôrto JA, Morais IA, Ramos MC, Silva EN et al. Judicialização da saúde e a audiência pública convocada pelo Supremo Tribunal Federal em 2009: o que mudou de lá para cá? Saúde em Debate [Internet]. 2014 jan-mar [citado em 15 jun. 2020]; 38(100):139-156. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38n100/0103-1104-sdeb-38-100-0139.pdf

Macedo D, Ataide JAR, Costa ACS, de Souza WAR, Rita LPS. Análise da Judicialização do Direito à Saúde, Subfinanciamento do setor e Políticas Públicas: Estudo de Caso no Estado de Alagoas. Revista de Administração de Roraima-RARR [Internet]. 2015 jul-dez [citado em 18 jul. 2020]; 5(2):300-325.

Silva RL, Santos JJS, Rita LPS, Pinto IMBS. Judicialização e Políticas Públicas: o impacto do fornecimento de medicamentos por determinação judicial no orçamento da Política de Saúde do estado de Alagoas (2010-2017). Revista de Administração de Roraima-RARR [Internet]. 2018 jul-dez [citado em 18 jul. 2020]; 8(2):326-350.

Paula CEA, Bittar CML. Meios para amenizar as consequências prejudiciais da judicialização da saúde. Revista de Direito Sociais e Políticas Públicas [Internet]. 2017 jan-jun [citado em 15 de jan. 2020]; 3(1):22-37. Disponível em: https://www.indexlaw.org/index.php/revistadspp/article/view/1865/pdf

Asensi FD, Pinheiro R. Judicialização da Saúde e Diálogo Institucional: a experiência de Lages. Rev. Dir. Sanit. [Internet]. 2016 [citado em 15 jan. de 2019]; 17(2):48-65. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rdisan/article/view/122306.

Domingos LO, Rosa GFC. O direito fundamental e coletivo à saúde no contexto da judicialização. Cad. Ibero-Amer. Dir. Sanit. [Internet]. 2019 abr-jun [citado em 15 ago. 2020]; 8 (2):82-99. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/524/593

Paim, JS. Sistema Único de Saúde (SUS) aos 30 anos. Ciênc. Saúde Coletiva [Internet]. 2018 [citado em 09 jan. 2020]; 23(6):1723-1728. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.09172018

Arquivos adicionais

Publicado

16-11-2021

Edição

Seção

ARTIGOS

Como Citar

1.
A judicialização da saúde no Brasil sob as lentes do modelo paradigmático de Strauss e Corbin: uma análise bibliométrica. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 16º de novembro de 2021 [citado 21º de junho de 2024];10(4):153-75. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/760