Análise da equidade na distribuição do financiamento federal à Atenção Primária à Saúde entre os municípios do Ceará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v10i1.724

Palavras-chave:

Equidade, Financiamento, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Objetivo: analisar a equidade na distribuição dos recursos da Atenção Primária à Saúde nos municípios do estado do Ceará. Metodologia: trata-se de um estudo ecológico, utilizando dados secundários de domínio público dos 184 municípios cearenses, entre 2004 e 2014. Coletou-se dados populacionais no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde; recursos recebidos de custeio da atenção primária no Fundo Nacional de Saúde e índice de desenvolvimento municipal no Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Calculou-se o gasto com atenção básica total e per capita por porte populacional dos municípios, sendo a análise realizada por gráficos de dispersão e boxplot. Resultados: foi revelada variação de aumento sequencial entre municípios de grande porte>municípios de pequeno porte>municípios de médio porte. O gasto per capita com a atenção básica apresentou variação: municípios de médio porte>municípios de grande porte>municípios de pequeno porte. Entre 2000 e 2014, o gasto com atenção básica per capita sobressai nos municípios de pequeno porte, passando de R$ 45,23 (2004) para R$ 132,97 (2014); nos municípios de médio porte de R$ 32,52 para R$ 97,05; e municípios de grande porte, de R$ 29,14 para R$ 82,10. Análises gráficas constataram maior crescimento dos gastos entre municípios de pequeno porte, de 2004 e 2012, apresentando queda em 2014. Conclusão: a política de financiamento da atenção primária do governo federal beneficiou os municípios de pequeno porte, apresentando tendência crescente de recursos entre 2000 e 2012, porém, em 2014, essa tendência se inverteu, o que é preocupante para a manutenção da Atenção Primária como base do Sistema Único de Saúde.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Natália Lima Sousa, Universidade Estadual do Ceará

    Mestre em Saúde Coletiva, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7070-6138. E-mail: natalia.ls1@hotmail.com

  • Maria Helena Lima Sousa, Universidade Estadual do Ceará

    Doutora em Saúde Coletiva, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil; professora visitante, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva e Mestrado profissional em Gestão da Saúde, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4134-2483. E-mail: helena.ls68@gmail.com

  • Marcelo Gurgel Carlos da Silva, Universidade Estadual do Ceará

    Pós-doutor, Economia da Saúde, Universidade de Barcelona, Barcelona, Espanha; professor titular, Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4030-1206. E-mail: marcelo.gurgel@uece.br

Referências

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. O financiamento da saúde. Brasília: CONASS; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumo Estratégico. Glossário temático: economia da saúde. 2ª ed. Brasília: MS; 2009.

Scatena JHG, Tanaka OY. Os instrumentos normalizadores (NOB) no processo de descentralização da saúde. Saúde e Sociedade. 2001;10(2):47-74.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reordenação do Modelo Assistencial. Brasília: MS; 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Informações e Gestão da Atenção Básica [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2020 [citado em 5 out. 2019]. Disponível em https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCoberturaAB.xhtml;jsessionid=bYoDBkPxzmAsWInOVmAYXFPf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.925, de 13 de novembro de 1988 [Internet]. Aprova o Manual para Organização da Atenção Básica no Sistema Único de Saúde, constante do Anexo I desta portaria. Brasília: Ministério da Saúde; 13 nov. 1988 [citado em 5 out. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3925_13_11_1998_rep.html

Chaui MS. Prefácio. In: Pochmann M. O mito da grande classe média: capitalismo e estrutura social. São Paulo: Boitempo; 2014. p.1-3.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Lei complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 [Internet]. Regulamenta o § 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios em ações e serviços públicos de saúde; estabelece os critérios de rateio dos recursos de transferências para a saúde e as normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas com saúde nas 3 (três) esferas de governo; revoga dispositivos das Leis nos 8.080, de 19 de setembro de 1990, e 8.689, de 27 de julho de 1993; e dá outras providências. Brasília; 13 jan. 2012 [citado em 5 out. 2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp141.htm

Giovanella L, Mendonça MHM. Atenção Primária à Saúde. In: Giovanella L. et al. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz; 2012. p. 12-25.

Organização Pan-americana da Saúde. Renovação da atenção primária em saúde nas Américas: documento de posicionamento da Organização Pan-americana da Saúde. Washington: OMS; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 2.436, de 21 de setembro de 2017 [Internet]. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília; 21 set. 2017 [citado em 5 out. 2019]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Scatena JHG, Tanaka OY. Os instrumentos normalizadores (NOB) no processo de descentralização da saúde. Saúde e Sociedade. 2001;10(2):47-74.

Almeida LM, Rigolin TB. Geografia. 5 ed. São Paulo: Ed. Ática; 2002.

Campos GWS. Reflexões temáticas sobre equidade em saúde: o caso do SUS. Saúde e sociedade. São Paulo; 2006;15(2):23-33.

Barbosa LMM, Machado CB. Glossário de epidemiologia & saúde. In: Rouquayrol MZ, Silva MGC, organizadores. Epidemiologia & saúde. 8.ed. Rio de Janeiro: MedBook, 2018. 752p. ISBN 978 85 8369-029-0.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e Estados: Ceará. População estimada. [citado em 5 out. 2019]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ce.html

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Ceará em números [Internet]. Fortaleza; 2016 [citado em 15 set. 2019]. Disponível em: http://www2.ipece.ce.gov.br/publicacoes/ceara_em_numeros/2016/completa/Ceara_em_Numeros_2016.pdf

Sousa MHL, Coelho VMC, Lima EC, Mota RMS, Fonseca MIF. Análise da equidade no financiamento federal na atenção básica da saúde no SUS-Ceará: anos/2002/2004/2006/2008. In: Silva MGC, Sousa MHL. Temas de economia da saúde III: contribuições para a gestão do SUS. Fortaleza: Editora Eduece; 2011. p. 54-73.

Barros MVG, Reis RS, Hallal PC. Análise de dados em saúde. 3ª ed. Londrina: Midiograf; 2012.

Andrade LOM, Santos L, Ribeiro KG, Barreto ICHC. Política de saúde no Brasil: Epidemiologia e saúde. 8ª ed. Rio de Janeiro: Medbook; 2018.

Funcia FR. Novo modelo de financiamento da Atenção Primária à Saúde pactuado na Comissão Intergestores Tripartite (CIT) em 31 de outubro de 2019: proposta de roteiro para reflexão, debates e demais providencias para o cumprimento da Constituição Federal, da legislação e das normas infralegais que regem o Sistema Único de Saúde [Internet]. Instituto de Direito Sanitário Aplicado, 1 nov. 2019 [citado em 5 out. 2019]. Disponível em: http://idisa.org.br/domingueira/domingueira-n-37-novembro-2019?lang=pt

Downloads

Publicado

18-03-2021

Edição

Seção

ARTIGOS

Como Citar

1.
Análise da equidade na distribuição do financiamento federal à Atenção Primária à Saúde entre os municípios do Ceará. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 18º de março de 2021 [citado 22º de abril de 2024];10(1):76-92. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/724