Novo regime fiscal frente à garantia constitucional de financiamento adequado das políticas públicas de saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v9i2.672

Palavras-chave:

Direito à saúde. Direitos socioeconômicos. Financiamento da assistência à saúde. Responsabilidade financeira.

Resumo

Objetivos: analisar a constitucionalidade da Emenda Constitucional (EC) nº 95/2016, em especial, cotejando os pisos de aplicação mínima nas ações e serviços públicos de saúde frente às disposições constitucionais garantidoras de financiamento adequado. Especificamente, foram confrontadas as projeções de financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) em face do princípio de vedação ao retrocesso dos direitos sociais. Metodologia: foram realizadas pesquisas teóricas e análises documentais, com base na revisão da literatura e dos dispositivos legais pertinentes, aos quais se agregou a dados empíricos, de maneira a observar indiretamente o fenômeno analisado, através do procedimento técnico da revisão documental. Resultados: a EC nº 95/2016 afronta as diretrizes constitucionais da integralidade e universalidade que regem o SUS, já que tende a agravar o déficit de financiamento do Sistema, impedindo o oferecimento adequado e progressivo de ações e serviços públicos de saúde (ASPS) para a população. Discussão: o novo regime fiscal instituído pela Emenda deve viger por duas décadas, valendo até 2036. O discurso oficial argumentava pela necessidade de um novo sistema de despesas públicas, sob a tônica da limitação de gastos e investimentos públicos, sobretudo nos bens e serviços sociais, como medida capaz de retomar o crescimento da economia. Conclusões: os limites de gastos público previstos na EC nº 95/2016 agravam a inefetividade do direito à saúde e afrontam premissa constitucional de garantia de financiamento adequado e progressivo das ASPS, subvertendo a lógica de instrumentalidade dos orçamentos e dos recursos públicos em nome da austeridade fiscal. Para além disso, afronta o princípio da vedação ao retrocesso ao impor uma regressividade ao custeio do Sistema.

Biografia do Autor

Lucas Bevilacqua, Universidade Federal de Goiás (PPGDP/UFG)

Doutor em Direito Econômico, Financeiro e Tributário, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil; professor, Programa de Pós-graduação em Direito e Políticas Públicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4357-8481. E-mail: lucas.bevilacqua@gmail.com

Fabiana Federico Soares, Universidade Federal de Goiás (PPGDP/UFG)

Mestranda em Direito e Políticas Públicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil; juíza de Direito, Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, Quirinópolis, Goiás, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0531-9507. E-mail: ffsoares@tjgo.jus.br

Júlia Maria Tomás dos Santos, Universidade Federal de Goiás (PPGDP/UFG)

Mestranda em Direito e Políticas Públicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil; advogada, Goiânia, Goiás, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4866-1572. E-mail: juliaa.t@hotmail.com

Referências

Referências
1. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil, 8 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, 2008
2. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Emenda constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília, 15 dez 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc/emc95.htm. [Acesso em 22.abr.2020].
3. Streck LL. Hermenêutica jurídica e(em) crise: uma explicação hermenêutica na construção do direito. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.
4. Assunção MC. O orçamento público como instrumento de busca da felicidade. Revista Tributária e de Finanças Públicas. Set./out. 2016, v. 130: 12-14.
5. Brasil. Supremo Tribunal Federal. Medida Cautelar em Ação Direta de Inconstitucionalidade 4048. Requerente: Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Intimado: Presidente da República. Relator Min. Gilmar Mendes. Brasília – DF, 14 de maio 2008. DJe-157, 22 de agosto de 2008.
6. Carvalho AC. Uma teoria de direito constitucional financeiro e direito orçamentário substantivo no Brasil. In: Conti JM, Scaff FF, organizadores. Orçamentos públicos e direito financeiro. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.
7. Faim Filho EG. A judicialização da saúde e seus reflexos orçamentários. In: Conti JM, Scaff FF, organizadores. Orçamentos públicos e direito financeiro. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.
8. Brasil. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário 271286/RS. Requerentes: Município de Porto Alegre e Estado do Rio Grande do Sul. Requerida: Diná Rosa Vieira. Relator: Min. Celso de Mello. Brasília – DF, 12 de setembro de 2000. DJ 23 de agosto de 2000, p. 52.
9. Mendes GF, Branco PGG. Curso de direito constitucional. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
10. Silva JA. Aplicabilidade das normas constitucionais. 2. ed. São Paulo: RT, 1999.
11. Neves M. A constitucionalização simbólica. São Paulo: Martins Forense, 2007.
12. Pinto EG. Financiamento dos Direitos à Saúde e à Educação: uma perspectiva constitucional. Belo Horizonte: Fórum, 2014.
13. Pinto EG; Ximenes SB. Financiamento dos direitos sociais na constituição de 1988: do “pacto assimétrico” ao “estado de sítio fiscal”. Educação & Sociedade. 2018; v. 39(145):980-1003.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010173302018000400980&lng=en&nrm=iso. [Acesso em 10.abr.2019].
14. Brasil. Presidência da República. Decreto nº 591, de 6 de julho de 1992. Atos Internacionais. Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Promulgação. Brasília, 7 jun 1992. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d0591.htm [Acesso em 9.jul.2019].
15. Vieira FS; Benevides RPS. Os impactos do novo regime fiscal para o financiamento do sistema único de saúde e para a efetivação do direito à saúde no Brasil. Nota Técnica n. 28. Brasília: Ipea, 2016a. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7270. Acesso em: 10 jul. 2019.
16. Buissa L; Bevilacqua L. Evolução da tributação e o custeio de políticas públicas de saúde no Brasil. Interesse Público – IP. 2018; 20(112): p. 145.
17. Brasil. Instituto Brasileiro de Pesquisa Aplicada (IPEA). Consolidação do gasto com ações e serviços públicos de saúde: trajetória e percalços no período de 2003 a 2017. Texto de Discussão 2439. Brasília: 2018.
18. Brasil. Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012. Regulamenta o § 3o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios em ações e serviços públicos de saúde; estabelece os critérios de rateio dos recursos de transferências para a saúde e as normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas com saúde nas 3 (três) esferas de governo; revoga dispositivos das Leis nos 8.080, de 19 de setembro de 1990, e 8.689, de 27 de julho de 1993; e dá outras providências. Brasília: 16 jan 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp141.htm. [Acesso em 22 abr 2020]
19. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Emenda Constitucional nº 86, de 17 de março de 2015. Altera os arts. 165, 166 e 198 da Constituição Federal, para tornar obrigatória a execução da programação orçamentária que especifica. Brasília: 18 mar 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc86.htm. [Acesso em 22 abr 2020].
20. Brasil. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade 5595. Relator: Min. Ricardo Lewandowski. Brasília, 28 de fevereiro de 2018. Disponível em: http://stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28ADI%24%2ESCLA%2E+E+5595%2ENUME%2E%29+NAO+S%2EPRES%2E&base=baseMonocraticas&url=http://tinyurl.com/yb9az9e8 [Acesso em: 17 jul. 2019].
21. Brasil. Ministério da Economia. Orçamento federal. Disponível em: http://www.orcamentofederal.gov.br/glossario-1/glossario_view?letra=D. [Acesso em 10.jul.2019].
22. Souza TG; Oliveira SM. Nota técnica sobre a PEC 241/2016 e suas repercussões para a saúde. Rio de Janeiro: Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro; 2016.
23. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Projeção da População do Brasil por sexo e idade: 2000-2060. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2013/default_tab.shtm [Acesso em 12.jul.2019].
24. Rossi P; Dweck E. Impactos do novo regime fiscal na saúde e educação. Cadernos de Saúde Pública. 2016; 32(12): (sem p). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2016001200501&lng=en&nrm=is [Acesso em: 10 jul. 2019].
25. Vieira FS; Benevides RPS. O Direito à Saúde no Brasil em Tempos de Crise Econômica, Ajuste Fiscal e Reforma Implícita do Estado. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, v. 10, n. 3, p. 1-28, 2016b.
26. Tanno CR. Novo regime fiscal constante da PEC nº 241/2016: análise dos Impactos nas políticas educacionais. Estudo Técnico n. 18/2016. Brasília: Câmara dos Deputados/Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira, 2016.
27. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 611, de 13 de dezembro de 2018. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2018/Reso611.pdf [Acesso em: 15 jul. 2019].
28. Funcia FR; Santos L. Do subfinanciamento ao desfinanciamento da saúde: descendo as escadas. Revista Domingueira da Saúde. 2019. 4 (sem p.). Disponível em: http://idisa.org.br/domingueira/domingueira-n-04-janeiro-2019 [Acesso em: 11 jul. 2019].
29. Pinto EG. STF reconhece o “direito a ter o custeio adequado de direitos” na ADI 5.595. Consultor Jurídico. 12 setembro 2017. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2017-set-12/contas-vista-stf-reconhece-direito-custeio-adequado-direitos-adi-5595 [Acesso em: 10 jul. 2019].
30. Pinto EG. ADCT é o “retrato de Dorian Gray” da Constituição de 1988. Consultor Jurídico. Setembro 2016. Disponível em: https://www.conjur. com.br/2016-set-27/adct-retrato-dorian-gray-constituicao-1988 [Acesso em: 17 jul. 2019].
31. Scaff, FF. Direito à saúde e os Tribunais. In: Nunes AJA; Scaf FF. Os Tribunais e o direito à saúde. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011
32. Sarlet IW. Proteção de direito fundamentais diante das emendas (parte 3). Conjur, 10 jun. 2016. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2016-jun-10/protecao-direitos-fundamentais-diante-emendas-parte [Acesso em 11 jul. 2019].
33. Comparato FK. Financiamento dos direitos à saúde e à educação: mínimos inegociáveis. Conjur, 27 jul. 2016. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2016-jul-27/financiamento-direitos-saudeeducacaominimos-inegociaveis [Acesso em: 13 jul. 2019].
34. Brasil. Ministério Público Federal. Procuradoria Geral da República. Emenda Constitucional 95/2016 não fere a Carta Magna nem esvazia direitos fundamentais, opina PGR. 13 de novembro de 2018. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/emenda-constitucional-95-2016-nao-fere-a-carta-magna-nem-esvazia-direitos-fundamentais-opina-pgr. [Acesso em: 13 jul. 2019].
35. Brasil. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade 6129. Requerente: Procuradora-Geral da República. Intimado: Assembleia Legislativa do Estado de Goiás. Relator: Min. Marco Aurélio. Brasília, 11 de setembro de 2019. Disponível em: https://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5691704 [Acesso em: 20 set. 2019].
36. Bonavides P. Curso de direito constitucional. 11. ed. São Paulo: Malheiros; 2001.
37. Silva VA. O Judiciário e as políticas públicas: entre transformação social e obstáculo à realização dos direitos sociais. In: Souza Neto CP; Sarmento D. Direito sociais: fundamentação, judicialização e direitos sociais em espécies. Rio de Janeiro: Lumen Juris; 2008.
38. Nunes AJA. Os tribunais e o direito à saúde. Texto para comunicação apresentado em Porto Alegre no Congresso Internacional sobre Direito Sanitário, organizado pela Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul, de 21 a 25 de maio de 2010.
39. Sarlet IW. Reserva do possível, mínimo existencial e direito à saúde: algumas aproximações. In: Sarlet IW; Timm LB. Direitos fundamentais: orçamento e “reserva do possível”. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora; 2008.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

1.
Bevilacqua L, Soares FF, Tomás dos Santos JM. Novo regime fiscal frente à garantia constitucional de financiamento adequado das políticas públicas de saúde. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 30º de junho de 2020 [citado 10º de maio de 2021];9(2):74-98. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/672

Edição

Seção

ARTIGOS