Direito à saúde: institucionalização

Autores

  • Ana Lucia Brochier Kist Universidade Federal do Rio Grande do Sul Autor

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v8i1.521

Palavras-chave:

Gestão em saúde. Justiça. Pesquisa

Resumo

O primeiro livro da coletânea Direito à Saúde, Institucionalização, reúne ensaios de expertos no tema, como profissionais ligados à gestão do sistema de saúde, à justiça e às pesquisas acadêmicas, que se voltam para um estudo do conjunto normativo encarregado de positivar o direito à saúde.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Ana Lucia Brochier Kist, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
    Graduada em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); graduanda em Direito pela UFRGS.

Referências

Cunha JRA. O mínimo existencial como retrocesso sanitário para a efetivação do direito à saúde no Brasil. In: Santos AO, Lopes LT, organizadores. Coletânea direito à saúde: institucionalização. Brasília: CONASS; 2018. p.12-21.

Vilaça DSS, Rey Filho M. A saúde para além do Artigo 196 da Constituição de 1988. Ibidem. p.56-68.

Marques SB. A garantia do direito sanitário sob a perspectiva de gênero: desafios e enfrentamentos perante o Sistema Único de Saúde para a garantia do direito à saúde das mulheres. Ibidem. p.220-234.

Ribeiro IV. A desnecessidade da cirurgia de transgenitalização para o reconhecimento da alteração do nome e do sexo jurídico fundado na universalidade dos direitos humanos e tratamento institucional dado ao tema pelos poderes instituídos. Ibidem. p.261-271.

Castro AF, Marques SB. Direito sanitário da população transgênero: uma construção contemporânea. Ibidem. p.272-283.

Schulman G. Internações forçadas e saúde mental: entre tratamento e punição. Ibidem. p.248-259.

Gómez-Ceballos DA, Craveiro IMR, Gonçalves LAP. A importância da judicialização da saúde na garantia do direito à saúde em Medellín-Colômbia. Ibidem. p.82-93.

Costa TMB. A justiciabilidade dos direitos sociais, econômicos e culturais: caso Lagos del Campo versus Perú. Ibidem. p.22-34.

Faria RF. Direito sanitário e direito do ambiente: uma questão de salvaguarda do direito fundamental à vida. Ibidem. p.36-43.

Campos TLC, Salgado VAB. A diretriz constitucional de participação social no SUS. Ibidem. p.44-54.

Avelino DP. Participação da comunidade no Sistema Único de Saúde: juridicidade e controle. Ibidem. p.68-81.

Gebran Neto JP. A Atenção Primária à Saúde: um enredo para o SUS.

Ibidem. p.95-107.

Moretti B, Menezes APR. Orçamento como instrumento para realização do direito à saúde? EC 95 e a LOA 2018. Ibidem. p.182-191.

Mapelli Junior R. O Estado como gestor de serviços no SUS: regime jurídico e implicações práticas. Ibidem. p.108-124.

Menezes APR, Chioro A. Os Estados e os desafios da regionalização da saúde. Ibidem. p.137-146.

Paixão ALS. Entre acertos e exageros: a difícil relação entre o administrador público e os órgãos de controle. Ibidem. p.206-219.

Aguiar LOF, Gonçalves CC. Contratação de serviços complementares no Sistema Único de Saúde. Ibidem. p.148-164.

Silva JMB. Por uma regulação do acesso mais sistêmica e produtora do cuidado: uma reflexão sobre a Política Nacional de Regulação do SUS e a articulação entre as centrais de regulação e os serviços. Ibidem. p.126-134.

André CU, Gonçalves CCM, Amaral TCL. O papel da segurança do paciente na qualidade do cuidado em saúde e na concessão do direito à saúde pela via da judicialização. Ibidem. p.236-246.

Alves EAV, Sousa P, Faria PL. Desafios Jurídicos do reporte de eventos adversos: proposta de agenda para a melhoria da segurança do paciente. Ibidem. p.294-306.

Buvinich DPR, Oliveira PC. Acesso à informação e comunicação de risco em saúde: entre o direito e a prudência. Ibidem. p.284-293.

Oliveira LFC, Brito PT, Prado EAJ. Patentes, inovação e direito à saúde: análise sobre as discussões de propriedade intelectual em saúde pública na Organização Mundial da Saúde entre 2006 e 2016. Ibidem. p.192-205.

Martins WJ, Rosa SO, Martins CSF. As mudanças legais para o ambiente da ciência, tecnologia e inovação (Lei 13.243/2016) e seus reflexos para o Sistema Único de Saúde. Ibidem. p.166-180.

Santos AO, Hartz Z, Delduque MC. Pensar a lei como intervenção no processo avaliativo do direito à saúde. Ibidem. p.309-320.

Downloads

Publicado

08-05-2019

Edição

Seção

RESENHAS

Como Citar

1.
Direito à saúde: institucionalização. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 8º de maio de 2019 [citado 2º de março de 2024];8(1):155-63. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/521