A participação social na vigilância de medicamentos

Julino Rodrigues Soares, Vanessa Elias de Oliveira

Resumo


Objetivo: analisar a contribuição dos pacientes na vigilância de medicamentos, considerando algumas etapas de desenvolvimento dessas tecnologias e o interesse da saúde pública. Metodologia: foi realizada análise bibliográfica e documental sobre as contribuições dos pacientes e os mecanismos de participação social. Resultados: identificou-se iniciativas consolidadas e resultados que sustentam a importância do paciente na vigilância de medicamentos em diversos segmentos. Todavia, a participação é limitada devido ao baixo letramento científico e à inefetividade de alguns mecanismos de participação social. Conclusões: organizações representativas de pacientes podem contribuir mais efetivamente em iniciativas de participação social na vigilância de medicamentos, conforme relatado em experiências internacionais. Também, é fundamental que as agências reguladoras busquem aprimorar os mecanismos de participação e a utilização de métodos que possibilitem coletar as contribuições sociais, bem como a sistematização das experiências dos pacientes.


Palavras-chave


Vigilância sanitária. Farmacovigilância. Participação do paciente. Políticas públicas de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira AMC, Dallari SG. Participação social no planejamento das ações e serviços de vigilância sanitária: uma análise crítica. Revista Vigilância Sanitária em Debate. 2014, 2(2): 9-16. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/272738799_Participacao_social_no_planejamento_das_acoes_e_servicos_de_vigilancia_sanitaria_uma_analise_critica. [Acesso em 20.mar.2018].

Coutinho DR, Miziara N. Participação social, transparência e accountability na regulação sanitária da Anvisa. In: Aith F, Dallari SG, organizadores. Regulação de medicamentos no mundo globalizado. São Paulo: Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário (CEPEDISA); 2014. p. 305-335. Disponível em: http://napdisa.prp.usp.br/wp-content/uploads/2016/10/drugs_regulation_online_sep14.pdf. [Acesso em 2.nov.2017].

Barnes M, Coelho VS. Social participation in health in Brazil and England: inclusion, representation and authority. Health Expectations. (8 set 2009), 12 (3):226-36. doi: 10.1111/j.1369-7625.2009.00563.x.

Durán PRF, Gerschman S. Desafios da participação social nos conselhos de saúde. Saúde e Sociedade. (2014), 23 (3):884-896. DOI: 10.1590/S0104-12902014000300012

Brasil. Senado Federal. Decreto Legislativo nº 273, de 2014. Susta a Resolução - RDC nº 52, de 6 de outubro de 2011, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, que dispõe sobre a proibição do uso das substâncias anfepramona, femproporex e mazindol, seus sais e isômeros, bem como intermediários e medidas de controle da prescrição e dispensação de medicamentos que contenham a substância sibutramina, seus sais e isômeros, bem como intermediários. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decleg/2014/decretolegislativo-273-4-setembro-2014-779343-publicacaooriginal-144957-pl.html. [Acesso em 2.set.2016].

Brasil. Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 50, de 25 de setembro de 2014. Dispõe sobre as medidas de controle de comercialização, prescrição e dispensação de medicamentos que contenham as substâncias anfepramona, femproporex, mazindol e sibutramina, seus sais e isômeros, bem como intermediários e dá outras providências. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/reprdc0050_25_09_2014.pdf/d04dec76-4dbb-4d04-a721-50bd191a1a9b?version=1.0. [Acesso em 3.jul.2018].

Pinto JM. Bulas de medicamentos comercializados no Brasil enquanto fontes de informação: em foco a qualidade da informação nelas contidas após a Resolução - RDC nº 47/2009 da ANVISA [Dissertação]. Minas Gerais: Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. 2013.

Volpato LF, Martins LC, Mialhe FL. Bulas de medicamentos e profissionais de saúde: ajudam ou complicam a compreensão dos usuários? Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2009, 30(3):309-314. Disponível em: http://serv-bib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/Cien_Farm/article/viewFile/623/887. [Acesso em 3.jul.2018].

Eggertson L. Drug approval system questioned in US and Canada. Canadian Medical Association Journal. (1 fev 2005), 172(3):317-318. DOI: 10.1503/cmaj.045312.

European Medicines Agency. [Relatório Técnico]. Stakeholder engagement report 2017: patients, consumers, healthcare professionals and their organisations. 2017. Disponível em: https://www.ema.europa.eu/documents/report/stakeholder-engagement-report-2017_en.pdf. [Acesso em 3.jul.2018].

US Food and Drug Administration. Learn About FDA Patient Engagement. Disponível em: https://www.fda.gov/ForPatients/PatientEngagement/default.htm#peac. [Acesso em 3.jul.2018].

Suvarna V. Phase IV of Drug Development. Perspectives in Clinical Research. 2010, Apr-Jun; 1(2): 57–60. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3148611/. [Acesso em 20.mar.2018].

Carpenter D, Zucker EJ, Avorn J. Drug-review deadlines and safety problems. The New England Journal of Medicine. (27 mar 2008), 358(13):1354-1361. DOI: 10.1056/NEJMsa0706341

Organização Mundial da Saúde. Departamento de Medicamentos Essenciais e outros Medicamentos. A importância da Farmacovigilância. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/importancia.pdf. [Acesso em 20.mar.2018].

Herxheimer A, Crombag R, Alves TL. Direct Patient Reporting of Adverse Drug Reactions: A Fifteen-Country Survey & Literature review. Health Action International (HAI) Europe, 2010. Disponível em: https://consumers.cochrane.org/sites/consumers.cochrane.org/files/public/uploads/10%20May%202010%20Report%20Direct%20Patient%20Reporting%20of%20ADRs.pdf. [Acesso em 20.mar.2018].

van Hunsel F, Härmark L, Pal S, Olsson S, van Grootheest K. Experiences with adverse drug reaction reporting by patients: an 11-country survey. Drug Saf. (1.jan.2012), 35(1):45-60. DOI: 10.2165/11594320-000000000-00000.

Instituto Abramundo [Relatório Técnico]. Letramento Científico: Um Indicador para o Brasil, versão preliminar. 2014. Disponível em: http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/580/documento-referencia.pdf. [Acesso em 10.out.2018].

Instituto Abramundo [Relatório Técnico]. Indicador de Letramento Científico: Relatório técnico da edição 2014. 2014. Disponível em: http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/Documents/Relatorio_Final_ILC_JUL2014.pdf. [Acesso em 10.out.2018].

Valla VV. Controle Social ou Controle Público. In: De Seta MH, Pepe VLE, Oliveira GO, organizadores. Gestão e vigilância sanitária: modos atuais do pensar e fazer. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2006.

Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia. Observatório de Oncologia. Disponível em: https://observatoriodeoncologia.com.br/#midia. [Acesso em 19.ago.2018].

Moretti FA, Zucchi P. Caracterização dos grupos de apoio e associações de pacientes portadores de doença reumatológica no Brasil. Rev. Bras. Reumatol, 2010; 50( 5 ): 516-528.

Mosconi P, Colombo C, Satolli R, Liberati A. PartecipaSalute, an Italian project to involve lay people, patients' associations and scientific-medical representatives in the health debate. Health Expectations. (22.maio.2007), 10(2):194-204. Erratum in: Health Expect. 2007 Sep;10(3):305. DOI: 10.1111/j.1369-7625.2007.00444.x

Nunes JA, Matias M. As organizações de pacientes como atores emergentes no espaço da saúde: o caso de Portugal. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde. (jan.-jun.2007), 1(1): 107-110. DOI: http://dx.doi.org/10.3395/reciis.v1i1.894

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Educanvisa: Educação em Vigilância Sanitária. Encontro Educação e Saúde lança livro sobre Educanvisa. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/educanvisa. [Acesso em 20.set.2018].

Brasil. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 8.243, de 23 de maio de 2014. Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação Social - SNPS, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/decreto/d8243.htm. [Acesso em 2.set.2016].

Vázquez ML, Ferreira Silva MR, Gonzalez ESC, Diniz AS, Pereira APC, Veras ICL, Arruda IKG. Nível de informação da população e utilização dos mecanismos institucionais de participação social em saúde em dois municípios do Nordeste do Brasil. Ciência e saúde coletiva. (set.dez.2005), 10(Suppl):141-155. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000500017




DOI: http://dx.doi.org/10.17566/ciads.v8i2.512

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-1824

 

Creative Commons   Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexações da revista CADERNOS IBERO-AMERICANOS DE DIREITO SANITÁRIO

Diretórios

Associada

Base de Dados