O direito à saúde de pessoas trans* no Distrito Federal: entre o direito de existir e o direito à equidade

Autores

  • Barbara de Paula Oliveira Escola Fiocruz de Governo (EFG) Autor
  • Marco Aurélio Santana da Silva Escola Fiocruz de Governo Autor
  • Maria Socorro de Souza Escola Fiocruz de Governo - Brasília/DF Autor

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v8i1.502

Palavras-chave:

Pessoas transgênero. Minorias sexuais e de gênero. Direito à saúde. Ativismo político.

Resumo

Objetivo: compreender como os movimentos sociais trans* do Distrito Federal entendem o direito à saúde. Método: tratou-se de uma pesquisa qualitativa realizada com líderes de movimentos sociais trans* do Distrito Federal em que foram realizadas entrevistas semiestruturadas e os dados foram analisados por intermédio da técnica de análise de conteúdo e agrupados em unidades temáticas. Resultado: foi possível compreender que os movimentos sociais trans* compreendem o direito à saúde como o direito de existir e o direito à equidade. Além disso, entendem também que a implementação do ambulatório trans* no Distrito Federal é uma conquista de direito à saúde. Conclusão: as pessoas trans* estão buscando serem reconhecidas como sujeitos de direito, tanto à saúde como ao direito humano mais básico, o direito de existir.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Barbara de Paula Oliveira, Escola Fiocruz de Governo (EFG)
    Mestre em Gênero e Sexualidade pelo Programa de Pós Graduação em Ciências e Tecnologias de Saúde (UnB-FCE), especialista em Saúde Coletiva pela Escola Fiocruz de Governo/Brasília. 
  • Marco Aurélio Santana da Silva, Escola Fiocruz de Governo
    Graduado em Comunicação Social pela Faculdade Fortium, especialista em Educação em Saúde Coletiva e Atenção Básica pela UFRGS e especialista em Saúde Coletiva pela Escola de Governo da Fiocruz Brasília.
  • Maria Socorro de Souza, Escola Fiocruz de Governo - Brasília/DF
    Escola Fiocruz de Governo - Brasília/DF

Referências

Vergueiro VS. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 2015. [Dissertação]. Salvador: Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade. Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos. Universidade Federal da Bahia, 2015.

Costa AB, Sousa Junior JG. O direito achado na rua: uma ideia em movimento. In: O Direito achado na rua: Introdução crítica ao direito à saúde. Alexandre Bernardino Costa et al. (organizadores) – Brasília: CEAD/ UnB, 2009.

Delduque MC, Oliveira MSC. Tijolo por tijolo: a construção permanente do direito à saúde. In: O Direito achado na rua: Introdução crítica ao direito à saúde. Alexandre Bernardino Costa et al. (organizadores). Brasília: CEAD/ UnB, 2009.

Minayo MCS, Souza ER, Constantino P, Santos NC. Métodos, técnicas e relações em triangulação. In: Avaliação por triangulação de métodos: uma abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2005.

Fraser MTD, Gondim SMG. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia, v.14, n.28, p.139152. 2004.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

Deslandes S, Gomes R, Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 25ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

Oliveira BP. A gente não se descobre, a gente se define. As subjetividades trans* no HUB-DF. [Dissertação] Brasília: Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias em Saúde. Faculdade de Ceilândia. Universidade de Brasília; 2017.

Carvalho M, Carrara S. Em direção a um futuro trans? Contribuição para a história do movimento de travestis e transexuais no Brasil. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, n. 14, p. 319–351, 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198464872013000200015&lng=en&nrm=iso>. [Acesso em 24.fev. 2018].

Bento B. O que é transexualidade? 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

Barros FPC, Sousa MF. Equidade: seus conceitos, significações e implicações para o sus. Saúde soc, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 9-18, 2016. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010412902016000100009&lng=en&nrm=iso>. [Acesso em 12.jan. 2018]. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902016146195.

Winter S. et al. Transgender people: health at the margins of society. The Lancet. Londres, v. 388, p. 390-400, jun.2016. Disponível em < https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(16)00683-8/fulltext> [Acesso em 20.jan.2018]

Sen A. Por qué la equidade en salud? Revista Panamericana de Salud Publica, Washington, DC, v. 11, n. 5-6, p. 302-309, 2002.

Santos AB, Shimizu HE, Merchan-Hamann E. Processo de formação das representações sociais sobre transexualidade dos profissionais de saúde: possíveis caminhos para superação do preconceito. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 11, p. 4545–4554, 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014001104545&lng=en&nrm=iso>. [Acesso em 20.jan. 2018].

Schuster MA, Reisner SL, Onorato SE. Beyond bathrooms - meeting the health needs for transgender people. The New England Journal of Medicine, n. 14, p. 101-103, 2016. Disponível em: <https://www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMp1605912?url_ver=Z39.882003&rfr_id=ori%3Arid%3Acrossref.org&rfr_dat=cr_pub%3Dwww.ncbi.nlm.nih.gov> [Acesso em 20.jan.2018]

Dumaresq L. Ensaio (travesti) sobre a escuta (cisgênera). Periódicus, v. 1, n. 5, p. 121–131, 2016. Disponível em < https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/17180/11337>. [Acesso em 10.fev.2018]

BRASIL. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Brasil Sem Homofobia: Programa de Combate à Violência e à Discriminação contra GLTB e Promoção da Cidadania Homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Transexualidade e travestilidade na saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Downloads

Publicado

08-05-2019

Edição

Seção

ARTIGOS

Como Citar

1.
O direito à saúde de pessoas trans* no Distrito Federal: entre o direito de existir e o direito à equidade. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 8º de maio de 2019 [citado 4º de março de 2024];8(1):10-25. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/502