A dicotomia do Princípio da Integralidade do SUS

Autores

  • Lisiane Rodrigues Alves Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul.

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v6i1.338

Palavras-chave:

dicotomia, integralidade, saúde

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir o aspecto dicotômico do princípio da integralidade, a partir de uma revisão literária narrativa. Apresenta um breve mapeamento histórico da luta pela saúde no mundo e no Brasil, como uma prática social. O princípio da integralidade como forma de ampliação ao acesso à saúde e, também, como forma de sua restrição. Finalizando com a análise das tentativas de arrefecimento desta dicotomia em contraste com a realidade social e econômica da sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisiane Rodrigues Alves, Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul.

Advogada, Assessora Jurídica da Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul, Especialista em Direito Sanitário pela Escola de Saúde Pública da SES/RS/ Unisinos e pela Escola de Governo da FIOCRUZ Brasília.

Referências

-LEVCOVITZ, E. Transição X consolidação: o dilema estratégico da construção do SUS. Um estudo sobre as reformas das políticas de saúde – 1974 -1996. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1997.

-Brasil: Ministério da Saúde. NOB – Norma Operacional Básica (Ministério da Saúde – NOB 96, 1996).

- BOZI, M.L. Cidadania, participação e saúde na visão dos profissionais do setor de serviços. Um estudo de caso de rede pública de serviços. Cadernos de Saúde Pública, v.10, n.4, p 446-456, out-dez.,1994.

- NIETSCHE EA. Tecnologia emancipatória : possibilidade para a práxis de enfermagem. Ijui:Ed.Unijui; 2000.

- Tipos de Revisão de Literatura. Faculdade de Ciências Agrnômicas – UNESP – Campus de Botucatu. 20015. Disponível em www.fca.unesp.br/home/biblioteca/tipos-de-revisao-de-literatura.pdf. Acessado em 01/11/2016.

-Universidade de São Paulo – Instituto de Psicologia – Biblioteca Dante Moreira Leite. Diponível em www.ip.usp.br/portal/images/biblioteca/revisão.pdf. Acessado em 01/11/2016.

- Rother, E T. Revisão Sistemática X revisão narrativa. Disponível em www.scielo.br. Acessado em 01/11/2016.

- LUZ, M.T. Natural, racional e social. Razão médica e racionalidade científica moderna. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

- Revista de Saúde Pública, 32 (4), 1998.

- AROUCA, A.S.O dilema preventista:contribuição para a compreensão e crítica da medicina preventiva. Campinas, 1975. Tese de Doutoramento – Universidade Estadual de Campinas.

- Organização Mundial de Saúde. Carta de Ottawa. In: Promoção da Saúde e Saúde Pública. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública. Fundação Oswaldo Cruz. 1986. p. 158-162.

- MENDES, E.V. Uma agenda pra saúde. São Paulo: Hucitec, 1997.

- Souza MF. O Programa Saúde da Família: uma visão nacional. In: Fernandes MEL, Dowbor TP, Kretzer MR, Gouveia I, Sucupira AC, Menezes L, Resegue R, organizadores. AIDS: prevenção porta a porta. São Paulo: Hucitec; 2004, p. 41-5.

- SCHALL VT, Stuchiner M. Educação em Saúde: Novas Perspectivas. Caderno de Saúde Pública. 1999, 2:4-5.

-KELL, Maria do Carmos Gomes. Integralidade da Atenção à Saúde. WWW.saude.gov.br, acessado em 13/07/2009.

- PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Rubens A. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 2001.

- MATTOS, Rubens Araújo de. A Integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade. Caderno Saúde Pública, rio de Janeiro, 20(5): 1411-1416, set-out, 2004.

- AMARAL, Gustavo. Direto, Escassez & Escolha, Editora Renovar, 2001, pag.142.

- MATTOS, Ruben Araújo de. Os Sentidos da Integralidade: algumas reflexões acerca dos valores que merecem ser defendidos 1. Texto extraído do sítio WWW.lappis.org.br – Laboratório de Pesquisa de Práticas de Integralidade em Saúde (LAPPIS). Acessado em 13/07/2009.

- Gastos em saúde: é muito ou é pouco? Trecho extraído do sítio WWW.cebes.org.br, acessado em 08/11/2009.

Downloads

Publicado

30-03-2017

Como Citar

1.
Rodrigues Alves L. A dicotomia do Princípio da Integralidade do SUS. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 30º de março de 2017 [citado 1º de dezembro de 2022];6(1):153-66. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/338

Edição

Seção

ARTIGOS