Os esqueletos humanos são dignos de proteção

Autores

  • Marta Stoffels Universidade de Coimbra Autor

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v9i1.599

Palavras-chave:

Restos mortais. Esqueleto. Ética. Legislação.

Resumo

Introdução: ante o avanço das ciências, cresce também o interesse nas coleções osteológicas já existentes e o desejo de construir novas, desde que a legislação nacional assim o permita. Proporcionalmente, aumentam as discussões relativas à bioética, instando as nações a revisitarem seus ordenamentos jurídicos visando à atualização do tema no que tange à proteção dos esqueletos humanos. Objetivo: suscita-se uma reflexão acerca do status jurídico dos esqueletos, da sua tutela nos âmbitos do Estado, no meio científico e acadêmico. Busca-se, também, fundamentos jurídicos que amparem os direitos à dignidade e à nacionalidade para os restos humanos esqueletizados. Metodologia: o método adotado é o da pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa. A técnica utilizada foi a análise textual descritiva acerca dos direitos atribuídos aos restos mortais. Resultados: a legislação vigente não impede que a doutrina majoritária considere, no âmbito do Direito, os ossos humanos como coisa. Essa condição enfraquece a proteção, fomenta o trânsito desenfreado e o comércio ilegal de ossos humanos. Conclusão: é imprescindível a inclusão, nos documentos regulatórios da matéria, um núcleo de proteção ampliado para os despojos humanos, cujo teor vise a garantir a dignidade que lhes é inerente. A normatização dos direitos aqui reivindicados inibirá questões envolvendo ossos humanos, que são dirimidas, atualmente, por um esforço exegético derivado dos direitos de personalidade, das leis do Direito Funerário ou pelas normas sanitárias locais, cujo amparo legal se restringe à imagem, à memória e à honra do indivíduo morto.

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Marta Stoffels, Universidade de Coimbra

    Doutoranda em Antropologia Forense pela Universidade de Coimbra, Portugal. E-mail: martinhastoffels@gmail.com

Referências

Firmino T. Cientistas portugueses unem-se contra exportação de esqueletos. Público. 06 dez 2016. Disponível em: https://www.publico.pt/pesquisa?query=exportação+de++esqueletos. [Acesso em 12.abr.2019].

Horster HA. Parte Geral do Código Civil Português – Teoria Geral do Direito Civil. Coimbra; Almedina, 2000.

Ferreira D. Código Civil Português Anotado. 2ª edição. vol. I. Coimbra: 1894.

Portugal. Decreto-Lei n.º 274/99, 22 de julho de 1999. Regula a dissecação de cadáveres. Regula a dissecação de cadáveres e extracção de peças, tecidos ou órgãos para fins de ensino e de investigação científica. Disponível em: http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=239&tabela=leis&ficha=1&pagina=1&so_miolo=& [Acesso em 04.abr.2019].

Halling CL, Seidermann RM. They Sell Skulls Online?! A Review of Internet Sales of Human Skulls on eBay and the Laws in Place to Restrict Sales. Journal Forensic Sciences. (04 jul 2016); 61(5):1322-6. DOI: 10.1111/1556-4029.13147.

Samelo NTCR. Aspectos relativos à tutela post-mortem da Personalidade Humana no Direito Civil: uma abordagem juscivilística do problema dos cemitérios [Dissertação]. Coimbra: Mestrado na Área de Especialização em Ciências Jurídico-Forenses, Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra; 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316/31346. [Acesso em 20.mai.2019].

Pereira AGD. Direito dos Pacientes e Responsabilidade Médica [Tese]. Coimbra: Doutoramento em Ciências Jurídico-Civilísticas, Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra; 2012. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/31524/1/Direitos%20dos%20pacientes%20e%20responsabilidade%20médica.pdf

Portugal. Decreto-Lei n.º 47344/66, 25 de novembro de 1966. Código Civil. Aprova o Código Civil e regula a sua aplicação - Revoga, a partir da data da entrada em vigor do novo Código Civil, toda a legislação civil relativa às matérias que o mesmo abrange. Disponível em: http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=775&tabela=leis&so_miolo= [Acesso em 04.abr.2019]

Portugal. Decreto-Lei n.º 411/98, 30 de dezembro de 1998. Inumação e trasladação de cadáveres. Estabelece o regime jurídico da remoção, transporte, inumação, exumação, trasladação e cremação de cadáveres, bem como de alguns desses actos relativos a ossadas, cinzas, fetos mortos e peças anatómicas, e ainda da mudança de localização de um cemitério. Disponível em: http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=246&tabela=leis&so_miolo= [Acesso em 05.abr.2019].

Chagas JS. Cadáver Desconhecido – Importância histórica e acadêmica para o estudo da anatomia humana [Dissertação]. São Paulo: Mestrado em Ciências, Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); 2001. Disponível em: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17186 [Acesso em 12.abr.2019].

Barros MALL, Pinheiro GC. A proteção ampliativa dos direitos fundamentais no Judiciário: o caso do direito funerário. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL]. (26.abr.2018), 19 (1):181-200. DOI: https://doi.org/10.18593/ejjl.v19i1.11040

Motta AFMR. A dignidade da pessoa humana e sua definição. Âmbito Jurídico. 01.dez.2013; XVI (119): [15]. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=14054> [Acesso em 05.mai.2019].

Langley NR, Tersigni-Tarrant MTA. Forensic Anthropology - A Comprehensive Introduction. 2ª ed. London: CRC Press; 2017.

Landau PM, Steele GD. Why Anthropologists Study Human Remains. American Indian Quarterly. (Spring, 1996), 20 (2), (Special Issue: Repatriation: An Interdisciplinary Dialogue): 209-228. DOI:10.2307/1185701.

Bobbio N. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Elsevier; 2004

Portugal. Constituição da República Portuguesa. VII revisão constitucional 2005, 10 de abril de 1976. Decreto de aprovação da Constituição - Diário da República n.º 86/1976, Série I. Disponível em: https://dre.pt/web/guest/legislacao-consolidada/-/lc/34520775/view?q=constituicão+da+republica+portuguesa> [Acesso em 20.mar.2019].

Sarlet IW. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

Oliveira FARS. Breves considerações a respeito do princípio da dignidade da pessoa humana [Dissertação]. Porto: Mestrado em Direito; Ciências Jurídico-Filosóficas da Faculdade do Porto; 2013. Disponível em: https://hdl.handle.net/10216/68997> [Acesso em 02.jun.2019].

Peixoto YHM. O princípio da dignidade da pessoa humana e as políticas públicas de saneamento básico no Estado de Goiás [Dissertação]. Goiás: Mestrado na Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Programa de Pós-Graduação em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento; 2016. Disponível em: tede2.pucgoias.edu.br:8080/.../YARA%20HILÁRIO%20MEDEIROS%20PEIXOTO.pdf [Acesso em 14.mai.2019].

Kant I. Fundamentação da Metafísica dos Costumes e Outros Escritos. Lisboa: Edições 70, 2014.

Gardiner K. Mummy mugshots and other strange passport facts. National Geographic. 26.out.2018. Disponível em: https://www.nationalgeographic.com/travel/features/weird-passports-history/ [Acesso em 10.mai.2019].

Bravo T. Direito Funerário – Cemitérios. JusBrasil. 2014.Disponível em: http://thibravo.jusbrasil.com.br/artigos/169156416/direito-funerariocemiterios [Acesso em 25.abr.2019].

Brasil. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Apelação Cível Nº 70077059210. Apelante: Cemitério Parque Padre Pio Ltda. Apelado: Município de Bento Gonçalves. Relatora: Desa Deborah Coleto Assumpção de Moraes. Porto Alegre, 07 mai 2018.

Ubelaker DH, Grant LG. Human skeletal remains: Preservation or reburial. American Journal of Physical Anthropology. (1989), 32 (Issue S10): 249-287. DOI: 10.1002/ajpa.1330320511.

Downloads

Publicado

01-04-2020

Edição

Seção

ARTIGOS

Como Citar

1.
Os esqueletos humanos são dignos de proteção. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 1º de abril de 2020 [citado 17º de junho de 2024];9(1):196-210. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/599