O bem da pessoa, o bem comum e a objecção de consciência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v10i2.793

Palavras-chave:

Bem da pessoa, Bem comum, Objecção de consciência

Resumo

Três temas ocupam o espaço desta apresentação. Os primeiros dois debruçam-se na mesma problemática, mas sob um ângulo diferente. A relação entre o bem pessoal e o bem comum pode efectivamente ser objecto de pelo menos dois discursos diferentes, o da ética - e o do direito. Além disso, poderá aparecer estranho ligar a estes dois temas um terceiro, reservado à objecção de consciência. Mas este tem cabimento na medida em que constitui, ao nível da cidadania, uma forma sociopolítica de tensão entre um bem pessoal e um bem comum, de natureza social ou política. Desta maneira, ética, direito e cidadania política interferem quando queremos abrir o processo das relações entre o bem pessoal e o bem comum. O tratamento dos problemas da pandemia não escapou sempre a tais questões espinhosas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel Renaud, Universidade Nova de Lisboa

Professor Catedrático, Universidade Nova de Lisboa, Liège, Bélgica. E-mail: michelmrenaud@gmail.com

Referências

Ricoeur P. Soi-même comme un autre. Paris: Editions du Seuil; 1990.

Arendt H. A condição humana. 11ª ed. rev. Tradução de Roberto Raposo e revisão técnica e apresentação de Adriano Correia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

Cabral R. Temas da ética. Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia; 2000.

Papa Francisco. Fratelli tutti: Carta encíclica sobre a fraternidade e amizade social. Lisboa: Paulinas Editora; 2020.

Freund J. L´Essence du politique. Paris: Sirey; 1965.

Rawls J. A theory of Justice. Revised edition. Cambridge, MA: Harvard University Press; 1999.

Sen A. A Idea of Justice. Harvard: Harvard University Press; 2011.

Kant E. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Coimbra: Atlântida; 1960.

Fessard G. Autorité et bien commun. Nouvelle édition revenue et augmentee par Frédéric Louzeau. Paris: Ad solem; 2015.

Jonas H. Le Principe Responsabilité. Une éthique pour la civilisation technologique. Paris: Les editions du Cerf ;1995.

Barbosa de Melo A. As tensões entre bem pessoal e bem comum (Um ponto de vista jurídico). In: Bem da pessoa e bem comum: um desafio à bioética. Coimbra: Gráfica de Coimbra; 1998.

Kelsen H. A teoria pura do direito. Coimbra: Almedina; 2019.

Hegel G. Phenomenology of Spirit. Translated by Terry Pinkard. Cambridge: Cambridge University Press; 2017.

Simon H. A Behavioral Model of Rational Choice. In: Models of Man, Social and Rational: Mathematical Essays on Rational Human Behavior in a Social Setting. New York: Wiley; 1957.

Sófocles. Antígona. Coimbra: Almedina; 2013.

Moeller C. A Angústia Do Homem Moderno. Petrópolis RJ: Editôra Vozes Limitada; 1968.

Gracia D. Fundamentos de bioética. Coimbra: Gráfica de Coimbra; 2; 2008.

Gracia D. (Dir). Ética de la objeción de conciencia. Colecção Guías de Ética en la práctica médica. Madrid: Fundación de las Ciencias de la Salud; 2008.

Ross D. The Right and the Good. Oxford: Oxford University Press; 1930.

Downloads

Publicado

24-06-2021

Como Citar

1.
Renaud M. O bem da pessoa, o bem comum e a objecção de consciência. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 24º de junho de 2021 [citado 30º de novembro de 2022];10(2):69-88. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/793

Edição

Seção

ARTIGOS: PERSPECTIVA BIOMÉDICA