Saúde Indígena: reflexões contemporâneas

Autores

  • Thaís Janaina Wenczenovicz Docente adjunta e pesquisador sênior/Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v7i1.428

Palavras-chave:

População Indígena, Saúde de Populações Indígenas, Direito à Saúde

Resumo

Objetivo: O estudo analisa alguns elementos da trajetória sócio-histórica das políticas públicas em saúde no processo de efetivação e disponibilização deste direito fundamental social junto as Comunidades Indígenas do Brasil. Metodologia: Foi usado o método bibliográfico-interpretativo, acompanhado de dados estatísticos da Fundação Nacional do Índio, Fundação Nacional de Saúde e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resultados: A política de saúde para os povos nativos é uma das questões de constante discussão por diversos organismos nacionais e internacionais. Sensíveis às enfermidades trazidas por não indígenas e, muitas vezes, habitando regiões remotas e de difícil acesso, as populações indígenas são vítimas de doenças como malária, tuberculose, infecções respiratórias, hepatite, doenças sexualmente transmissíveis, entre outras. Desde a criação da Fundação Nacional do Índio (Funai), em 1967, diferentes instituições e órgãos governamentais se responsabilizaram pelo atendimento aos índios. Conclusão: As diretrizes foram alteradas diversas vezes, mas, com exceção de casos pontuais, em nenhum momento a situação sanitária nas terras indígenas foi realmente satisfatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

02-04-2018

Como Citar

1.
Wenczenovicz TJ. Saúde Indígena: reflexões contemporâneas. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 2º de abril de 2018 [citado 30º de novembro de 2022];7(1):63-82. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/428

Edição

Seção

ARTIGOS