Análise sobre a judicialização da saúde no estado de mato grosso no período de 2011-2012

Autores

  • Simone Cristina de Arruda Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v6i1.308

Palavras-chave:

Judicialização. Direito à Saúde. Estado. NAT.

Resumo

O Direito à Saúde consagrado na Carta Cidadã de 88 é um direito de todos, e segundo os doutrinadores, passível de ser exigido judicialmente quando não garantido pelo Estado. O objetivo desse trabalho é compreender o fenômeno da Judicialização do acesso à Saúde Pública no Estado de Mato Grosso. Foi utilizado o método qualitativo baseado na pesquisa documental, retirado de doutrinas jurídicas e da saúde, bem como o quantitativo através da análise dos dados fornecidos no relatório do Núcleo de Apoio Técnico-NAT instalado no Fórum, cujo escopo é subsidiar os magistrados com pareceres técnicos na área da saúde. Foi com a crescente demanda de ações judiciais envolvendo a área da saúde pública no estado de Mato Grosso e com a criação do NAT que emite pareceres técnicos a fim de subsidiar os magistrados ao decidir os casos apresentados na justiça estadual, que justificou a realização desse trabalho. É possível verificar que a população cada vez mais está consciente de seus direitos e exigindo que o mesmo seja efetivado através de decisões judiciais, visto que a ação do Poder Executivo na saúde resta ineficaz, não alcançando a população que procura por esses serviços. Enquanto não haja um debate coletivo com os atores sociais e os três poderes, quanto à situação da saúde no Estado de Mato Grosso, estaremos diante desse cenário de aumento de ações envolvendo a saúde, pois, o cidadão não pode ficar à mercê da ineficácia de gestão dos Poderes Públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

30-03-2017

Como Citar

1.
Arruda SC de. Análise sobre a judicialização da saúde no estado de mato grosso no período de 2011-2012. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 30º de março de 2017 [citado 31º de janeiro de 2023];6(1):86-111. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/308

Edição

Seção

ARTIGOS