Direito à Saúde: demanda por suplementos alimentares no Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Autores

  • Pollyana Rodrigues Pinheiro Dias FIOCRUZ Autor

DOI:

https://doi.org/10.17566/ciads.v4i3.163

Palavras-chave:

Judicialização da Saúde. Direito à Alimentação. Suplemento alimentar.

Resumo

No Brasil, os direitos fundamentais foram positivados na Carta Magna de 1988. Isso significou um grande avanço para a defesa da saúde, pois passou a ser protegida juridicamente e várias obrigações foram estabelecidas para os agentes públicos. O Sistema Único de Saúde tem encontrado fatores limitadores, devido a sua extensão e complexidade, não materializando todos dos preceitos constitucionais. O Judiciário é acionado para obrigar o Executivo a prestar ações e serviços de saúde, conforme a Constituição, fazendo surgir o fenômeno da judicialização no Brasil. No ano de 2010, a Emenda Constitucional nº 64, inseriu no rol de direitos fundamentais o direito à alimentação. O presente trabalho apresenta os resultados de pesquisa que analisou nos anos de 2009 a 2011, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, as ações que pleiteavam suplemento alimentar para portadores de alergia alimentar. Concluiu-se que a EC 64/2010 não influenciou as decisões nas demandas dos mandados de segurança ou o aumento do número de ações mandamentais impetradas

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

30-09-2015

Edição

Seção

ARTIGOS

Como Citar

1.
Direito à Saúde: demanda por suplementos alimentares no Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Cad. Ibero Am. Direito Sanit. [Internet]. 30º de setembro de 2015 [citado 21º de junho de 2024];4(3):39-55. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/163