[1]
J. R. Almeida Cunha, “As teorias do mínimo existencial e da reserva do possível como retrocessos à efetivação do direito à saúde no Brasil”, Cad. Ibero Am. Direito Sanit., vol. 4, nº 3, p. 94–115, set. 2015.